Alunos do ensino profissional vão poder entrar na universidade sem exames nacionais

Esta via de acesso inédita terá concursos locais e facultativos já em 2020. “Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior”, refere o ministro Manuel Heitor.

Há uma nova via de acesso ao ensino superior que entra em vigor no próximo ano. O modelo facilita a candidatura dos alunos dos cursos profissionais, mas a adesão é opcional, disse o ministro Manuel Heitor, em entrevista ao “Jornal de Notícias” (JN).

Trata-se de concursos locais, que têm em ponderação a nota final do curso e a prova de aptidão profissional em vez dos exames nacionais. Segundo o ministro da Ciência e Ensino Superior, a medida só faz “sentido ocorrer onde há mais proximidade com escolas profissionais”.

De acordo com o JN, a norma, que está a ser ultimada, consta do “Contrato para a Legislatura” 2019-2023 que é assinado esta sexta-feira entre o Governo (na figura de António Costa), os reitores e presidentes de politécnicos.

“Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior: menos de metade tem o esforço adicional e vai-se preparar e estudar Português e Matemática e faz o exame nacional; e a outra metade entra via cursos de curta duração (TeSP)”, refere Manuel Heitor.

Recomendadas

“Mobilizar uma equipa com várias competências é o maior desafio das startups”, diz professor da Nova

O Programa de Empreendedorismo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova começa esta terça-feira. Lisboa recebe Frank Rimalovski, diretor do Instituto Empreendedor da New York University, para dar ‘luzes’ aos alunos sobre como materializar uma ideia.

“Quero que os doutorados tragam mais qualidade para a gestão”

O ministro Santos Silva lançou um repto aos graduados a viver no estrangeiro: coloquem o vosso ‘know-how’ ao serviço do desenvolvimento do país.

O professor do ano

Numa escola da Figueira da Foz há um professor que continua a transmitir paixão pelo conhecimento. Os alunos recordam e agradecem.
Comentários