Alunos do ensino profissional vão poder entrar na universidade sem exames nacionais

Esta via de acesso inédita terá concursos locais e facultativos já em 2020. “Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior”, refere o ministro Manuel Heitor.

Há uma nova via de acesso ao ensino superior que entra em vigor no próximo ano. O modelo facilita a candidatura dos alunos dos cursos profissionais, mas a adesão é opcional, disse o ministro Manuel Heitor, em entrevista ao “Jornal de Notícias” (JN).

Trata-se de concursos locais, que têm em ponderação a nota final do curso e a prova de aptidão profissional em vez dos exames nacionais. Segundo o ministro da Ciência e Ensino Superior, a medida só faz “sentido ocorrer onde há mais proximidade com escolas profissionais”.

De acordo com o JN, a norma, que está a ser ultimada, consta do “Contrato para a Legislatura” 2019-2023 que é assinado esta sexta-feira entre o Governo (na figura de António Costa), os reitores e presidentes de politécnicos.

“Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior: menos de metade tem o esforço adicional e vai-se preparar e estudar Português e Matemática e faz o exame nacional; e a outra metade entra via cursos de curta duração (TeSP)”, refere Manuel Heitor.

Recomendadas

Governo avalia criação de incentivos para fixar professores nas escolas

De acordo com o Ministério da Educação, tutelado por Tiago Brandão Rodrigues, estes incentivos estão a ser estudados em articulação com outros ministérios e autarquias.

Orçamento das universidades e politécnicos vai crescer 2% até 2023

Governo e instituições assinam contrato de legislatura. Iniciativa quer garantir estabilidade nas instituições de ensino, aumentar o número de alunos e aponta à convergência com a Europa.

Quatro escolas portuguesas no top 100 europeu

Portugal é o sétimo país europeu com mais escolas representadas no ‘ranking’ do Financial Times. Em 2019 são quatro: Nova SBE, Católica-Lisbon, ISCTE-IUL e Porto Business School.
Comentários