Alunos do ensino profissional vão poder entrar na universidade sem exames nacionais

Esta via de acesso inédita terá concursos locais e facultativos já em 2020. “Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior”, refere o ministro Manuel Heitor.

Há uma nova via de acesso ao ensino superior que entra em vigor no próximo ano. O modelo facilita a candidatura dos alunos dos cursos profissionais, mas a adesão é opcional, disse o ministro Manuel Heitor, em entrevista ao “Jornal de Notícias” (JN).

Trata-se de concursos locais, que têm em ponderação a nota final do curso e a prova de aptidão profissional em vez dos exames nacionais. Segundo o ministro da Ciência e Ensino Superior, a medida só faz “sentido ocorrer onde há mais proximidade com escolas profissionais”.

De acordo com o JN, a norma, que está a ser ultimada, consta do “Contrato para a Legislatura” 2019-2023 que é assinado esta sexta-feira entre o Governo (na figura de António Costa), os reitores e presidentes de politécnicos.

“Há cerca de 18 mil jovens que acabam o secundário via profissional. Desses, há 4.500 que passado o mais tardar um ano estão no superior: menos de metade tem o esforço adicional e vai-se preparar e estudar Português e Matemática e faz o exame nacional; e a outra metade entra via cursos de curta duração (TeSP)”, refere Manuel Heitor.

Recomendadas

Pandemia faz disparar despesa dos politécnicos. Défice estimado de 10 milhões este ano

O número resulta de um levantamento feito pelo Conselho Coordenador, concluído a 30 de junho, e já está na posse do ministro Manuel Heitor, revelou esta sexta-feira, no Parlamento, Pedro Dominguinhos, presidente do CCISP.

Próximo ano letivo vai ter mais tempo de aulas e menos férias, anuncia Governo

“Aumentamos o número de dias de aulas do próximo ano, encurtando, por um lado, a pausa letiva da Páscoa e prolongando a duração do ano letivo para os anos de escolaridade que não estão sujeitos a exame”, explicou.

Fenprof exige distribuição de manuais novos no próximo ano letivo

A Assembleia da República aprovou esta terça-feira uma proposta do CDS/PP que suspende a devolução dos manuais escolares. PS votou contra. As confederações de pais aplaudiram a suspensão.
Comentários