Aministia Internacional pede a Pequim que não use a nova lei de segurança nacional como “arma” contra Hong Kong

Depois da China ter confirmado a aprovação da controversa lei de segurança nacional que permitirá às autoridades chinesas combater atividade “subversiva e secessionista” em Hong Kong, a Amnistia Internacional pediu às autoridades que não usem esta lei para “atropelar os direitos humanos” na região semiautónoma.

DR Philip Fong/AFP/Getty Images

A Amnistia Internacional (AI) considera a aprovação da nova lei de segurança nacional como “dolorosa” e que representa “a maior ameaça aos direitos humanos na história recente da cidade”.

Em comunicado enviado esta terça-feira, o dirigente da equipa da AI na China considera que “a partir de agora, a China terá o poder de impor suas próprias leis a qualquer suspeito criminal que escolher”, indicou Joshua Rosenzweig.

“A velocidade e o sigilo com os quais a China adotou essa legislação intensificam o medo de que Pequim tenha criado uma arma de repressão para ser usada contra críticos do governo, incluindo pessoas que estão apenas a expressar as suas opiniões ou a protestar pacificamente.

Em causa está a nova lei de segurança nacional, aprovada por Pequim, que permitirá às autoridades chinesas combater atividade “subversiva e secessionista” em Hong Kong, provocando receios de que reduzirá as liberdades na região semiautónoma.

Tam Yiu-Chung, o único representante de Hong Kong no Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, o órgão máximo legislativo da China, confirmou hoje que a lei foi aprovada.

O responsável não avançou mais detalhes, limitando-se a dizer que a pena de morte não consta entre punições por “atos de secessão, subversão, terrorismo e conspiração com forças estrangeiras para comprometer a segurança nacional”.

Apesar de tudo, a Amnistia Internacional pede às autoridades chinesas que não usem esta lei para “atropelar os direitos humanos e minar as liberdades que distinguem a cidade da China continental”.

Fontes citadas pelo jornal South China Morning Post (SCMP) e pela emissora pública RTHK informaram que a lei foi ratificada esta manhã na China, durante a reunião do Comité Permanente, com a legislação a poder entrar em vigor na quarta-feira, 1 de julho, data em que se assinala a transferência do território da soberania britânica para a chinesa, que ocorreu em 1997.

A Assembleia Popular Nacional estará agora a debater a inserção da lei no Anexo III da Lei Básica de Hong Kong, considerada a “miniconstituição” da região semi-autónoma, e incluiria penas de prisão perpétua por “atos de secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras para pôr em risco a segurança nacional”, segundo aqueles órgãos de comunicação.

O SCMP acrescentou que a lei foi ratificada com o voto unânime dos 162 membros do Comité Permanente do legislativo chinês

Ler mais
Relacionadas

Amnistia Internacional: Controlo das regras de confinamento expõe discriminação racial entre polícias da Europa

As comunidades negras e ciganas, os refugiados, requerentes de asilo e migrantes em campos e alojamentos e os sem-abrigo foram alvo de discriminação durante o período de isolamento obrigatório decretado em toda a Europa. A Amnistia Internacional denuncia situações de preconceito racial conduzidas pela polícia em 12 países europeus.

ONU criticada por retirar coligação saudita da lista negra de agressores de crianças

Diversas organizações de defesa de direitos humanos querem que a ONU reconsidere a posição de retirar a coligação liderada pelos sauditas na guerra do Iémen de uma lista negra de entidades que matam ou utilizam crianças em conflitos.

Portugal entre países com maior percentagem de presos libertados

Portugal foi o 4.º país europeu com maior percentagem (15%) e número (1.874) de reclusos libertados como medida para evitar a propagação da Covid-19. Mais de 122.000 presos foram libertados na Europa.
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários