André Silva deixa liderança do PAN e Parlamento em junho

Porta-voz do PAN decidiu abandonar as funções partidárias e a vida política depois do Congresso do partido, que terá lugar em junho. André Silva diz querer “apanhar o comboio da paternidade” e defende que “as pessoas não devem eternizar-se nos cargos, devendo dar oportunidade a outras”.

José Sena Goulão/LUSA

O atual líder do PAN, André Silva, vai deixar a liderança do partido em junho, abandonando também o lugar na Assembleia da República e a vida política. O porta-voz do partido justifica a decisão com querer alcançar um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional e  “apanhar o comboio da paternidade”, a que acresce a convicção de que “as pessoas não devem eternizar-se nos cargos”.

Numa publicação no Faceebok, André Silva partilhou a carta que enviou este domingo à tarde tarde aos militantes do PAN sobre a decisão de saída da vida política partidária e parlamentar, a partir do próximo congresso, marcado para os dias 5 e 6 de junho, anunciando que decidiu não se recandidatar e irá renunciar também ao mandato de deputado à Assembleia da República.

“Abdiquei de muito a nível pessoal para me dedicar à missão de afirmar e fazer crescer o partido, relegando todos os outros aspectos da minha vida. Chegou a hora de mudar. Tendo sido pai há 5 meses, considero que devo apanhar o comboio da paternidade para materializar valores que considero essenciais nas esferas privada e pública. Além de pretender equilibrar a minha vida pessoal e familiar com a vida profissional, carrego a forte convicção de que numa democracia saudável as pessoas não devem eternizar-se nos cargos, devendo dar oportunidade a outras”, afirmou André Silva, recordando que defende a limitação dos mandatos políticos.

O porta-voz do PAN recordou o trajeto e conquistas desde que se tornou membro da Comissão Política Permanente e porta-voz nacional do PAN, que descreveu como “partido então pouco conhecido que tinha como principais desafios a afirmação no espectro político-partidário nacional, a colocação dos direitos dos animais e do combate à crise climática como prioridades do debate político, e a afirmação dos direitos sociais das pessoas fora dos arcaicos preconceitos do divisionismo esquerda/direita”.

“Abracei, de corpo e alma, estes desafios porque acreditava que a mudança era possível”, vincou, reiterando que sete anos depois continua “a acreditar nessa mudança e na capacidade única deste colectivo partidário para a afirmar”.

Na missiva de despedida, faz o balanço sobre o seu desempenho: “durante estes anos vivi intensamente os desígnios do PAN, tendo dado o máximo que tenho e da forma que melhor sei. No caminho, cometi erros, tentei aprender com eles e corrigi-los”, acrescentando que se irá “embora tendo presente o patamar de notoriedade atingido pelo partido, bem como as aptidões de acção política e de disputa eleitoral autónoma que adquiriu nos últimos anos”.

Recomendadas

UE anuncia apoio de 3,4 mil milhões de euros à América Latina para recuperação pós-covid-19

O anúncio foi feito durante uma reunião virtual presidida por Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, em representação da União Europeia (UE), juntamente com a presidente da Comissão Europeia e o Alto Representante da UE para a Política Externa e com a participação de sete chefes de Estado e de Governo da região da América Latina e Caraíbas.

Biden e Putin vão conversar para acalmar tensão nas fronteiras ucranianas

Na manhã desta quinta-feira, em Estocolmo, à margem de uma reunião ministerial da OSCE, o chefe da diplomacia norte-americana informou que tinha tido um encontro “sério e produtivo” com o seu homólogo russo, a quem transmitiu o conselho de a Rússia retirar as suas tropas da fronteira com a Ucrânia.

Alemanha em mudança com foco no novo ministro das Finanças. Ouça o podcast “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Do novo Governo da Alemanha ao divórcio entre eleitores e poder político na Argélia passando pelos conflitos entre Reino Unido e França com o Brexit pelo meio. Tensão é a palavra que marca esta edição do podcast do JE, que conta com a análise do embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários