Angola aperta cerco a Isabel dos Santos

Empresária angolana está sob pressão no Banco de Fomento de Angola (BFA) com o CaixaBank alegadamente incomodado com o conflito entre Isabel dos Santos e o Estado angolano, noticia o Expresso este sábado.

A justiça angolana transformou o inquérito contra a Sonangol num processo-crime devido à recusa de Isabel dos Santos em se apresentar na Procuradoria-Geral da República, noticia o semanário “Expresso” este sábado.

“Estando a sua atitude na origem da paralisação da ação a deixar-nos de mãos atadas, não tínhamos outra saída senão avançarmos agora com um processo-crime a partir do qual poderemos vir a contar com a colaboração de outras instituições de investigação criminal no estrangeiro com quem temos acordos de cooperação”, disse fonte da PGR ao Expresso.

Segundo o semanário, a empresária angolana está também sob pressão no Banco de Fomento de Angola (BFA) com o CaixaBank alegadamente incomodado com o conflito entre Isabel dos Santos e o Estado angolano.

“Ela colocou peões da sua conveniência que lhe permitem ditar as regras do jogo a favor dos seus interesses e não vamos continuar a permitir ter no banco um presidente (Mário Silva) que é um pau-mandado de uma pessoa”, disse fonte da Sonangol ao Expresso.

 

Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Dia da Propriedade Intelectual: Criei uma marca. O que posso fazer para a registar?

Os advogados do departamento de TMT & Propriedade Intelectual da sociedade CCA explicam o que fazer para registar uma marca. O primeiro passo? Verificar se preenche determinados requisitos para que o seu registo seja concedido. Comemora-se esta sexta-feira o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários