António Costa aponta que Portugal reduziu para metade número de incêndios e área ardida

O primeiro-ministro acredita que o sucesso da redução do número de incêndios e área ardida deve-se à estratégia que o seu executivo de António Costa tem levado a cabo desde 2017.

António Cotrim / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, referiu esta, quinta-feira, que o país reduziu para metade o número de incêndios e área ardida, um sucesso que atribui à reforma florestal que tem sido levada a cabo desde 2017. As declarações foram proferidas à margem do Conselho de Ministros, que foi presidido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Em declarações aos jornalistas, António Costa garantiu que “diminuímos para metade o numero de incêndios, diminuímos para metade a área ardida”.

O sucesso deve-se à estratégia que existe desde 2017, segundo António Costa. “O que mais marcou [a floresta] foi ter deslocalizado o tema da floresta do flagelo do fogo para aquilo que são as verdadeiras causas profundas, que o fogo é o sinal mais visível que tem a ver com o ordenamento do território e da paisagem, que tem a ver com o abandono do interior e tem a ver com a perda do valor económico da floresta”.

Aspetos que têm de ser trabalhados “se queremos ter uma floresta resiliente, uma floresta que contribua para enriquecer o país, para criar melhores condições de vida no interior do país que ajude as populações a viverem melhor “, garantiu o governante.

Entre o que foi discutido esta quinta-feira, o primeiro-ministro salientou que o mais importante foi a aprovação dos instrumentos relacionados “com o ordenamento do território, o ordenamento da paisagem, as intervenções que tem a ver com uma gestão integrada do espaço rural e também com o desenvolvimento das valências da proteção civil preventiva da qualificação de todos aqueles que são chamados a intervir nos combates aos incêndios florestais e também no reforço dos meios de combate designadamente os meios aéreos confiados à Força Área”.

António Costa aproveitou o seu discurso para agradecer ao Presidente da República por ter presidido o Conselho de Ministros, o último deste mandato, e recorda que os incêndios marcaram os anos de Marcelo enquanto Chefe de Estado.

“O tema da floresta marcou profundamente até por razões profundamente trágicas o mandato do senhor presidente Marcelo Rebelo de Sousa e uma temática relativamente à qual demonstrou-se sempre uma enorme preocupação”, lembrou.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo Rebelo de Sousa diz que estratégia nacional para fogos florestais “visa prevenir muito mais do que combater” (com áudio)

O Conselho de Ministros dedicado às florestas, foi presidido pelo Presidente da República, tendo estado em discussão o regime jurídico de arrendamento forçado e do Programa Nacional de Ação do Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais.
Recomendadas

Da relação entre Marcelo e Salgado às moradas falsas dos deputados. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

25 Abril: Desfile vai voltar à Avenida da Liberdade com regras devido à pandemia

“Quando foi tomada a decisão, só houve uma associação que se manifestou, dizendo que por eles, porque são essencialmente já de idade avançada, não iriam participar no desfile, ainda que apoiem todas as outras iniciativas que se façam”, continuou o responsável referindo-se à Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE).

Moedas diz que suspeita em torno da Câmara de Lisboa “corrói” a democracia

Carlos Moedas reforça ainda que “o sistema não deve funcionar de forma pouco transparente, com base em favores e amiguismos”, acrescentando que “estas dúvidas minam a confiança dos cidadãos e dificultam as mudanças necessárias de comportamento e cultura política”.
Comentários