António Costa: “Emprego também gera crescimento e uma forma sã de sanearmos as finanças públicas”

O primeiro-ministro português disse domingo que o emprego tem crescido em diferentes setores da economia, como no turismo e na atividade industrial.

O primeiro-ministro disse este domingo que o Governo tem “boas razões para continuar a apostar no emprego como uma grande prioridade”, porque é “seguramente o maior e mais importante” fator de coesão social, contributo para o desenvolvimento económico, combate à pobreza e sustentabilidade das finanças públicas.

Num discurso esta tarde, no Palácio da Bolsa, no Porto, António Costa afirmou que “muitas vezes se diz que é o crescimento que gera emprego – e é verdade -, mas o desemprego também gera crescimento” e “sobretudo gera uma forma mais sã de sanearmos as nossas finanças públicas”.

O líder do Executivo português esteve na ‘Invicta’ para a conferência “Portugal Futuro 2017” e para a cerimónia de entrega do Prémio Manuel António da Mota. A distinção deste ano visa premiar a luta contra a pobreza e a exclusão social e teve como vencedor a Associação para a Educação de Segunda Oportunidade de Matosinhos, dedicada à formação de jovens saídos precocemente do sistema de ensino, que ganhou 50 mil euros.

O 2.º e o 3.º lugares do Prémio Manuel da Mota foram para a Associação RECOVERY IPSS, com um prémio de 25 mil euros, e para o G.A.TO – Grupo de Ajuda a Toxicodependentes, que conseguiu 10 mil euros.

“O sentimento de justiça é que permite reduzir eliminar fatores de exclusão e erradicar a pobreza. Felizmente, o emprego tem vindo a crescer de modo sustentado. São mais de 240 mil os postos de trabalho criados nos últimos anos em termos líquidos e uma taxa de desemprego que caiu de 12,6% para 8,5%”, referiu, no encontro, que o emprego tem crescido em diferentes setores da economia, como no turismo e na atividade industrial.

“É um desemprego que tem vindo a reduzir em todos os estratos etários, no desemprego de longa duração, mais ainda no desemprego jovem, e com uma característica importante em que o emprego sem termo tem crescido mais em que o trabalho a termo”, argumentou.

Ler mais

Recomendadas

PremiumPoupança continua “muito abaixo” da média da zona euro

Deco alerta: não existe reforço em produtos de aforro. Aumento da poupança para máximos históricos resulta da diminuição do consumo.

PremiumCCP pede a Siza apoios para mais de 100 associações

Com o pagamento de quotas associativas penalizado pelas dificudades de tesouraria, CCP reclama ao Governo apoios a associações empresariais.

PremiumPRR mais para Estado do que para empresas domina preocupações

Maioria dos membros da Associação Cristã de Empresários e Gestores aceita desconfinamento só depois da Páscoa, mas criticam apoios disponibilizados.
Comentários