Governo fecha aeroportos, proíbe ajuntamentos com mais de cinco pessoas e deslocações entre concelhos

O primeiro-ministro anunciou ainda a prorrogação do prazo para os proprietários procederem à limpeza das matas e a isenção das taxas moderadoras para os doentes Covid-19.

O primeiro-ministro apresentou esta quinta-feira algumas das medidas aprovadas em Conselho de Ministros para conter a propagação do novo coronavírus. António Costa clarificou que serão proibidos ajuntamentos de mais de cinco pessoas (exceto os agregados familiares com esse número de membros) e os doentes Covid-19 serão isentos de taxas moderadoras.

As deslocações fora do concelho de residência, quer seja de automóvel, de transportes públicos ou mesmo a pé, estão igualmente proibidas. A fiscalização desses ‘passeios’ será feita pelas forças de segurança nacionais e o incumprimento constitui um crime de desobediência. “Entre 9 e 13 de abril vamos ter encerrados todos os aeroportos nacionais”, afirmou ainda o chefe de Governo, em conferência de imprensa a partir do Palácio da Ajuda.

O Executivo procedeu também à prorrogação do prazo para os proprietários procederem à limpeza das matas, que terminava no próximo dia 15 de abril e concedeu à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) poderes para suspender despedimentos ilegais. “Este é um momento muito difícil, que exige o esforço de todos: Estado, empresas e famílias. Ninguém tem o direito de aproveitar desta circunstância para abusar desta oportunidade, seja para fragilizar os direitos dos trabalhadores seja para explorar os consumidores ou praticar atos destrutivos limitadores da concorrência”, frisou aos jornalistas.

A nível judicial, o Governo recomendou, por exemplo, o perdão de penas de prisão até dois anos (que não se aplicam a crimes graves) e que o regime de licenças precárias possa passar a ser concedido por um período de 45 dias pelas autoridades judiciárias, que poderão depois conceder liberdade condicional. A proposta de lei em causa, que visa impedir a propagação do vírus em meios prisionais, é uma forma de proteger os presidiários e trabalhadores desses estabelecimentos, segundo o Governo. “A prática de qualquer tipo de ato criminal ou incumprimento do confinamento domiciliário implicará a caducidade do perdão de pena e o reingresso no estabelecimento prisional”, esclareceu António Costa antes de ir para Belém.

Cada um de nós tem de ser polícia de si mesmo e não estar à espera que venha a polícia ou as Forças Armadas impor-nos as nossas obrigações. Felizmente, temos todos cumprido o melhor possível e acho que devemos ter, como povo, orgulho da forma exemplar como temos cumprido – António Costa

A Assembleia da República aprovou esta manhã o decreto presidencial de prorrogação do Estado de Emergência, um documento que estende as medidas de contenção da pandemia de Covid-19 até ao próximo dia 17 de abril. “É absolutamente imprescindível renovar o Estado de Emergência. Não renovar hoje o Estado de Emergência seria dar a mensagem errada quando há 15 dias anunciamos”, referiu António Costa no debate parlamentar. “Continua a ser necessário e, diria até, mais necessário. À medida que o tempo vai aumentando, o risco vai aumentando”, explicou, aquando da discussão e votação sobre a renovação do Estado de Emergência no país.

Só vão ser permitidas deslocações na área de residência permanente durante a Páscoa

Notícia atualizada às 19h17

Ler mais
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários