António Costa pede atuação coordenada de Estados-membros no processo de vacinação

De forma a que os estados membros coordenem a sua resposta no processo de vacinação, os ministros da Saúde reuniram-se esta tarde, explicou o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro, António Costa, apelou, esta quarta-feira, a que os Estados-membros optem por uma atuação coordenada no que toca ao processo de vacinação, depois de ter sido questionado sobre a segurança da vacina da AstraZeneca.

À margem da sua visita a uma escola em Vila Real, António Costa começou por explicar que não toma “decisões que cabem aos técnicos tomar”. “É o apelo que temos feito que as autoridades nacionais todos os Estados-membros da União Europeia: devem respeitar as decisões da Agência Europeia do Medicamento e evitar tomar decisões unilaterais”.

De forma a que os 27 países possam ter uma resposta mais coordenada, em função das decisões da agência europeia do medicamento, a ministra da Saúde, Marta Temido, “no exercício da presidência portuguesa convocou para hoje ao final do dia uma reunião de ministros da União Europeia”, lembrou o primeiro-ministro.

Costa considera esse passo fundamental, “para que não haja indefinição e não esteja cada um a decidir por si”. Entretanto, o líder do Executivo recordou ter tomado a vacina da AstraZeneca, diz ficar à espera de que os “técnicos tenham uma posição compreensível” e que transmitam tranquilidade.

O mais recente apelo do primeiro-ministro e a reunião dos ministros da Saúde vêm a responder às inquietudes do Presidente da República que ainda esta quarta-feira apontou que os estados membros “reagem de forma diferente perante as dúvidas”. Perante a instabilidade no processo de vacinação, Marcelo pediu que existisse uma “posição clara e duradoura”

Relacionadas

Já foram detetados 62 casos de coágulos na União Europeia. Assista à explicação da EMA

A Agência Europeia do Medicamento vai incluir a tromboembolia no quadro de efeitos secundários da vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford. Ainda assim, garante que os casos são “muito raros” e os benefícios do fármaco superam os riscos.

Regulador europeu confirma “possível ligação” entre Astrazeneca e formação de coágulos sanguíneos (com áudio)

A diretora executiva Agência Europeia de Medicamentos reiterou, no entanto, “que os benefícios [da vacina] na preveção da Covid-19 sobrepõem-se aos riscos”, frisando que o risco de morte por Covid-19 continua a ser maior do que pelos potenciais efeitos secundários causados pelo uso desta vacina. Os casos reportados vão ser listados como efeitos colaterais extremamente raros.
Recomendadas

Portugal entrega vacinas a Cabo Verde e acelera calendário para lusófonos – Santos Silva

“O nosso compromisso político, que assumimos em fevereiro, de destinar pelo menos 5% das vacinas a que temos direitos ao abrigo da contratação pública europeia, para os países lusófonos africanos e para Timor-Leste, começa a ser cumprida com a antecipação do calendário”, afirmou Augusto Santos Silva.

Autárquicas: Rio diz que eleições deste ano são muito importantes para o PSD

O líder dos sociais-democratas, que falava no Porto na cerimónia descrita em agenda como de apresentação do programa do candidato do PSD a este concelho, garantiu que a direção nacional do partido “empenhou-se a sério na escolha dos candidatos às autarquias, em todas as autarquias sem exceção”, frisando que “um bom candidato não é apenas aquele que é conhecido do grande público porque aparece na televisão”.

PSD quer ouvir António Mendonça Mendes e diretora-geral da AT sobre “ato persecutório” no Fisco

Em causa está a abertura de um inquérito disciplinar ao trabalhador do Fisco que denunciou o “negócio ruinoso” da venda das barragens da EDP no Douro. Os social-democratas consideram que se trata de um “ato de natureza persecutória” e pedem esclarecimentos ao Governo e à Autoridade Tributária e Aduaneira.
Comentários