António Costa quer reunir-se com partidos de esquerda na quarta-feira

O líder do PS quer reunir-se na quarta-feira com os líderes do Bloco de Esquerda, PCP/PEV, Livre, e também com o PAN. O Presidente da República recebe hoje os partidos parlamentares.

Infografia: Mário Malhão

António Costa quer reunir-se na quarta-feira com os partidos de esquerda eleitos para o Parlamento, avança o Observador. O líder do PS quer reunir-se com os líderes do Bloco de Esquerda, PCP/PEV, Livre, mas também com o PAN, nas respetivas sedes destes partidos.

A comitiva de negociação do PS é composta por António Costa, Carlos César, Ana Catarina Mendes e Duarte Cordeiro, conta o Observador. Pelo Bloco de Esquerda, a equipa é composta por Catarina Martins, Pedro Filipe Soares, Mariana Mortágua e Jorge Costa.

O Presidente da República vai receber hoje os partidos que conseguiram representação parlamentar. As audições em Belém têm início marcado para as 11.30 horas e devem terminar por volta das 20h00.

No seu discurso de vitória no domingo à noite, António Costa destacou que o PS “reforçou a sua posição política em Portugal” e que os “portugueses gostaram da geringonça e desejam a continuidade da atual solução política”.

Tanto o PCP como o Bloco de Esquerda já declararam que estão dispostos a negociar com António Costa para uma geringonça 2.0, e já apresentaram os seus cadernos de encargos.

O PCP defendeu vários pontos como o aumento do salário mínimo para 850 euros, aumento das pensões , creches gratuitas para todas as crianças até aos três anos, construção de habitação pública e investimento no Serviço Nacional de Saúde.

Por sua vez, o Bloco de Esquerda, defendeu a reposição dos cortes feitos durante os tempo da troika e que ainda estão na legislação laboral, com a reposição dos dias de férias e das compensações por despedimento.

O Bloco defendeu também mais investimento público para “salvar o serviço nacional de saúde”, bem como a recuperação adicional de salários, pensões e direitos.

Presidente Marcelo recebe hoje partidos para indigitar primeiro-ministro

Os cadernos de encargos para uma nova geringonça

Ler mais
Relacionadas
antonio_costa_legislativas_altis_2

PS precisou de quase quatro vezes menos votos do que o Chega para eleger deputados

Socialistas precisaram do número mais baixo de eleitores por cada mandato desde 1991, altura em que a Assembleia da República passou a ter 230 deputados, seguidos de perto pelos sociais-democratas. E o PAN precisou de menos votos do que o CDS-PP.

Presidente Marcelo recebe hoje partidos para indigitar primeiro-ministro

O encontro com os líderes partidários tem em vista a indigitação do primeiro-ministro, que deve acontecer depois de ouvidos todos partidos que passam a ter, pelo menos, um assento na Assembleia da República.

Sondagem Aximage-Jornal Económico foi a mais próxima dos resultados das legislativas

Intercampus obteve os melhores resultados entre as sondagens à boca das urnas reveladas pelas televisões no início da noite eleitoral.

Mercados financeiros dão nota positiva ao desfecho das eleições

Se António Costa assegurar estabilidade política, casas de investimento admitem redução adicional de juros do país e novas subidas de ‘rating’.
Recomendadas

Costa reúne esta segunda-feira com Presidente da República para entregar nomes de secretários de Estado

O gabinete do primeiro-ministro enviou este domingo, 20 de outubro, uma nota onde refere que “o primeiro-ministro solicitou hoje uma audiência ao Presidente da República para lhe apresentar os nomes dos secretários de Estado”.

Sondagem Aximage: Maioria julga que António Costa sabia o que se passou em Tancos

Parte considerável dos eleitores também têm a impressão de que Marcelo Rebelo de Sousa também estava ao corrente daquilo que se estava a passar. PSD terá sido o partido mais beneficiado com o “caso de Tancos” e o PS o mais prejudicado nas urnas.
assunção_cristas_rui_rio_debate_legislativas_1

Direita unida numa só lista teria mais um deputado do que o PS

Se os eleitores do PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal, Chega e Aliança tivessem votado na mesma lista esta teria colocado 97 deputados na Assembleia da República, ganhando dez ao PS. Mas bastaria o partido de André Ventura ficar de fora para os socialistas continuarem a ter mais parlamentares do que os existentes à sua direita.
Comentários