António Costa Silva diz que não vai para o Governo

O novo conselheiro económico de António Costa garantiu que não vai integrar o Executivo. Sobre a TAP, defende a intervenção do Estado, mas preservando os postos de trabalho.

O novo conselheiro económico do primeiro-ministro garante que não vai integrar o Governo socialista.

Em entrevista à RTP no domingo, António Costa Silva rejeitou a possibilidade de vir a integrar o Executivo. “Não serei” do Governo, respondeu, depois do jornalista ter sugerido esta possibilidade.

No sábado, o jornal Expresso tinha avançado esta possibilidade: Com a eventual saída de Mário Centeno, Pedro Siza Vieira poderia sair do ministério da Economia para assumir a pasta das Finanças, deixando o caminho aberto para António Costa Silva ir para a Horta Seca.

Sobre a hipótese de vir a negociar diretamente com os partidos pelo Governo, as medidas para o Programa de Recuperação Económica, o presidente da petrolífera Partex rejeitou esta possibilidade.

“Os partidos têm razão, eu tenho imenso respeito pelos partidos. A minha missão não e negociar, a minha missão é fazer o plano. Quem vai negociar, fazer as escolhas, e estabelecer prioridades, é o Governo”, esclareceu, depois de vários partidos terem deixado críticas a hipótese do gestor vir a sentar-se à mesa de negociações.

Na entrevista, o gestor convidado por António Costa para desenhar o plano de recuperação económica pós-pandemia Covid-19, também foi questionado pela situação na TAP e a intervenção pública na companhia aérea.

“O Estado deve intervir [na TAP]”, defendeu António Costa Silva. “Não podemos deixar que empresas que podem ser rentáveis se afundem e entrem em estado de coma. Esta capitalização que o Estado terá de efetuar, tem de ser sujeita a condições: uma delas é preservar o emprego, outra qualificar as pessoas, os trabalhadores, e verificar ao nível das empresas como podem mudar os seus planos de negócio, adaptar-se à competiçáo global e lutar para abrir novas fileiras em termos de futuro”.

O presidente da petrolífera Partex, que pertencia à Fundação Calouste Gulbenkian e que foi comprada pelos tailandeses da PTTEP, destacou que a “crise demonstrou que as cadeias logísticas e de abastecimento que estavam criadas são muito perigosas. Dependemos do exterior de equipamentos críticos, fulcrais na saúde, medicamentos”.

“Vai haver aqui uma reorganização das cadeias logísticas. E a União Europeia já assinalou claramente que a Europa tem de ter uma economia estratégica. A economia portuguesa desde a industria têxtil, à fabricação de equipamentos e maquinas está preparada para se adaptar a isto”.

Inquirido sobre se o Governo deveria aumentar os trabalhadores da Função Pública, o gestor rejeitou fazer comentários. “Não me cabe a mim, não sou do Governo, sou independente”.

“Na administração publica temos setores excecionais, temos outros que têm menor qualidade. Tem de haver qualificação de todos esses setores. Há também um programa previsto em termos de competências digitais, eu penso que a administração pública pode ser muito revolucionada”, afirmou na entrevista.

 

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

 

Ler mais

Relacionadas

O que Portugal precisa para não falhar, segundo António Costa Silva

O gestor que o primeiro-ministro convidou para ajudar o Governo a delinear o plano de recuperação diz que Portugal tem instituições sólidas, mas alerta que as políticas públicas têm de ser mais inteligentes e inclusivas.

Plano de António Costa Silva visa portos, energia, digital e saúde

“Esta crise mostrou que o papel do Estado tem que ser mais valorizado, mais Estado na economia, o Estado é o último protetor contra todo o tipo de ameaças”, afirmou o gestor independente, que diz ser “favorável aos mercados”, convidado pelo primeiro-ministro para elaborar um plano de recuperação económica para o pós-pandemia Covid-19.

Primeiro-ministro confirma convite a António Costa e Silva para coordenar Programa de Recuperação Económica

“O professor António Costa e Silva foi convidado pelo primeiro-ministro para coordenar a preparação do Programa de Recuperação Económica”, referiu hoje o gabinete de António Costa, numa nota enviada à agência noticiosa nacional.

António Costa e Silva confirma convite do primeiro-ministro: “É uma tarefa cívica”

“Continuo na minha empresa a e o resto [hipótese de ser o próximo ministro da Economia] são especulações sem fundamento”, afirmou o presidente da Partex ao jornal online “Eco”.
Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários