António Domingues vai poder acumular salário na CGD com pensão do BPI

Ao salário como presidente da CGD vai poder juntar a partir de Janeiro a pensão a que tem direito pelos descontos efectuados ao longo da carreira contributiva no BPI.

Cristina Bernardo

Ao salário mensal de 30 mil euros como presidente da CGD, António Domingues vai poder juntar a partir de Janeiro a pensão a que tem direito pelos descontos efectuados ao longo da carreira contributiva no BPI. A notícia é avançada pelo jornal Público.

O ministro das Finanças Mário Centeno revelou no parlamento que o presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai receber anualmente 423 mil euros, a que corresponde um ordenado ligeiramente acima de 30 mil euros (14 meses).

A 30 de Maio, e na sequência do convite de António Costa para liderar a CGD, António Domingues formalizou a sua saída do BPI, onde era vice-presidente, e onde esteve durante 27 anos.

O Publico esclarece ainda que a lei consagra o direito a Domingues de trabalhar depois de se reformar, como já acontece noutros casos.

Recomendadas

Banco Português de Fomento recusa empréstimo de 30 milhões à Groundforce

Para a recusa do empréstimo, o BPF argumentou com a “ausência da aprovação e implementação efetiva por parte da administração da Groundforce, de um plano de reestruturação profundo, que adeque a estrutura de custos à nova realidade de receitas, e à recuperação lenta esperada para o setor da aviação comercial”.

BCI, Millennium Bim e Standard seguem como bancos importantes em Moçambique

No rácio que mede a importância para o setor, rotulada com a sigla inglesa D-SIB, o BCI encabeça a lista com 278 pontos, seguindo-se o Millennium Bim com 257 e o Standard Bank com 159.

ASF inclui elevada exposição a dívida portuguesa nas vulnerabilidades específicas do sector segurador nacional

O supervisor alerta para os “potenciais efeitos adversos”, em caso de alargamento dos spreads dos títulos soberanos nos mercados financeiros, em resultado da elevada concentração patenteada pelas carteiras dos operadores nacionais aos três emitentes soberanos: Portugal, Espanha e Itália.
Comentários