Pacto Português para os Plásticos é apresentado amanhã

Este é um projeto coordenado pela Associação Smart Waste Portugal, com o apoio do Ministério do Ambiente e da Ação Climática e em parceria com a com a rede dos Pactos para os Plásticos da Fundação Ellen MacArthur.

Amanhã, dia 4 de fevereiro, vai ser apresentado o ‘Pacto Português para os Plásticos’, um projeto coordenado pela Associação Smart Waste Portugal, com o apoio do Ministério do Ambiente e da Ação Climática e em parceria com a rede dos Pactos para os Plásticos da Fundação Ellen MacArthur.

“Trata-se de uma plataforma colaborativa e de inovação que tem como objetivo criar um compromisso comum entre o Governo, os diferentes agentes da cadeia de valor dos plásticos, a academia e ONG [Organizações Não Governamentais], no sentido de promover a transição para uma economia circular para os plásticos em Portugal, destaca um comunicado da organização desta iniciativa.

De acordo com esse documento, “através da assinatura deste pacto, as entidades envolvidas irão subscrever a visão da ‘Nova Economia dos Plásticos’, da Fundação Ellen MacArthur, que se carateriza pela criação de uma economia circular para os plásticos, na qual estes nunca se converterão em resíduos, e comprometer-se a atingir um conjunto de metas e objetivos ambiciosos para 2025”.

“As metas e os membros do pacto serão divulgados no dia do lançamento”, promete o mesmo comunicado.

Segundo esse documento, “o pacto pretende promover a mobilização da sociedade portuguesa assumindo um posicionamento de liderança do nosso país, no contexto internacional”.

“Esta plataforma colaborativa terá ainda o intuito de promover uma aproximação dos diferentes agentes da cadeia de valor dos plásticos, estimulando o desenvolvimento de soluções inovadoras que permitam uma transição acelerada para uma economia circular para os plásticos.  Este pacto está integrado na rede de Pactos Nacionais promovida pela Fundação Ellen MacArthur que já estão a decorrer noutros países, como por exemplo, Reino Unido, Chile e França, com o apoio dos respetivos governos”, esclarece o referido comunicado.

A nota informativa em causa precisa que, “com mais de 100 associados comprometidos com as ações estratégicas da economia circular, a Smart Waste Portugal é uma plataforma de investigação, desenvolvimento e inovação e o pólo aglutinador por excelência das várias partes interessadas e representantes da cadeia de valor, promovendo ativamente a cooperação entre entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, na transição para a circularidade”.

Nesta palestra, além de António Mexia, participarão Aires Pereira, presidente da Associação Smart Waste Portugal; Joã0 Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática; Nolwenn Foray, analista de economia circular da Fundação Ellen MacArthur; e Pedro São Simão, coordenador do Pacto Português os Plásticos e vogal da direção da Associação Smart Waste Portugal, entre outros.

O evento contará ainda com apresentação de casos específicos de empresas com boas práticas no setor para a circularidade dos plásticos a operar em Portugal, como a Nestlé, Delta Cafés, Lidl & Companhia, Intraplas e Sinplaste.

A sessão de encerramento desta iniciativa ficará a cargo do secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres.

Ler mais

Recomendadas

Árvores crescem no Pinhal de Leiria mas no terreno lamenta-se a falta de meios e demoras

Há milhares de pinheiros a crescer na Mata Nacional de Leiria, três anos após o incêndio que destruiu 86% da floresta da Marinha Grande. O Estado fala numa elevada taxa de regeneração, mas no terreno há críticas, pedindo-se mais meios.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.
Comentários