PremiumApanhar a boleia da retoma para regressar à rota descendente

O crescimento da economia deverá mais que compensar o saldo negativo orçamental, segundo as contas do Governo, permitindo regressar em 2021 à curva descendente do rácio da dívida pública.

Relacionadas

PremiumGoverno recupera objetivo de redução do défice

A crise da pandemia fez o défice disparar para 7,3% do PIB este ano, segundo as estimativas do Executivo, mas no próximo ano a redução já será 3 p.p.. Apesar do aumento nominal da despesa do Estado aumentar em 2021, peso no PIB volta a cair.

PremiumDa contração “sem precedentes” para a recuperação “robusta”

Consumo privado, investimento público e retoma das exportações formam a base da receita de João Leão para pôr a economia a crescer 5,4% em 2021 depois de um tombo histórico de 8,5% este ano.

PremiumAdivinhem quem vem viabilizar o Orçamento do Estado

Críticas bloquistas tornam possível que a aprovação na generalidade passe pela abstenção de PCP, PEV e PAN. Mas nem o PSD fica fora da equação.

PremiumUm Orçamento contido, mas flexível

Governo apresenta Orçamento “não-austeritário”, mas com contenção. E deixa margem para medidas adicionais contra os efeitos da pandemia.
Recomendadas

Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

“A justiça tributária foi infetada pela Covid 19 e esteve longos meses em coma”, diz fiscalista

Vânia Codeço, advogada da RFF & Associados – Sociedade de Avogados, revela a impreparação a justiça tributária, em particular dos tribunais, e a resposta lenta às necessidades da gestão da pandemia. Regista ainda que as inspeções tributárias e os processos de execução fiscal pararam, tendo os tribunais tributários funcionado numa lógica de serviços mínimos com o lockdown a transformá-los num órgão de soberania “quase ausente”.
Comentários