Aplicação do primeiro ministro indiano acusada de enviar dados dos utilizadores a terceiros

O serviço tem enviado dados pessoais de utilizadores para terceiros, sem o consentimento dos mesmos.

Narendra Modi

A aplicação móvel oficial do primeiro-ministro indiano, Nadrendra Modri, está a merecer várias críticas nas redes sociais por alegadamente estar a enviar dados pessoais dos seus utilizadores para terceiros. Os críticos acusam a app de transmitir as informações dos indivíduos (nome, email, fotografia, género…) a uma plataforma detida pela empresa norte-americana Clever Tap.

O Partido do Povo Indiano já veio negar estas alegações, indicando que estes dados “têm sido usados apenas para analisar conteúdos mais contextuais”. A acusação à Clever Tap, plataforma de mobile marketing sediada na Califórnia, foi redigida por um cibernauta anónimo, no domingo, no Twitter:

 

Rahul Gandhi, líder da oposição, manifestou o seu desagrado na mesma rede social. Em resposta, o Partido do Povo Indiano, de Narenda Modri, respondeu que Gandhi “pretende desviar as atenções”, depois de terem recebido várias denúncias, de que este poderá estar ligado ao escândalo da Cambridge Analytica.

Raul Ghandi negou estas acusações. Narendra Modri é um dos cinco políticos mais populares e ativos no Twitter, sendo seguido por 41,4 milhões de utilizadores.

Ler mais
Recomendadas

PremiumCabo Verde escolhe entre continuidade e regresso do PAICV

Legislativas de domingo decorrem sob o impacto da crise pandémica, com o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva a procurar a reeleição.

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca “a qualquer momento”

Alexei Navalny, considerado como o principal crítico do Kremlin (Presidência russa), iniciou no passado dia 31 de março uma greve de fome em protesto contra as condições de detenção a que está sujeito, acusando a administração penitenciária de lhe recusar o acesso a um médico e a medicamentos, uma vez que sofre, segundo indicaram os seus advogados, de uma dupla hérnia discal.

Negociações sobre nuclear com o Irão continuam e registam progressos

Depois de uma reunião da chamada “comissão conjunta” do acordo JCPOA, as delegações do Irão, Alemanha, Reino Unido, França, China e Rússia decidiram que os dois grupos de especialistas – criados na semana passada – continuam hoje e nos próximos dias o seu trabalho.
Comentários