Aplicação do primeiro ministro indiano acusada de enviar dados dos utilizadores a terceiros

O serviço tem enviado dados pessoais de utilizadores para terceiros, sem o consentimento dos mesmos.

Etienne Oliveau/Reuters

A aplicação móvel oficial do primeiro-ministro indiano, Nadrendra Modri, está a merecer várias críticas nas redes sociais por alegadamente estar a enviar dados pessoais dos seus utilizadores para terceiros. Os críticos acusam a app de transmitir as informações dos indivíduos (nome, email, fotografia, género…) a uma plataforma detida pela empresa norte-americana Clever Tap.

O Partido do Povo Indiano já veio negar estas alegações, indicando que estes dados “têm sido usados apenas para analisar conteúdos mais contextuais”. A acusação à Clever Tap, plataforma de mobile marketing sediada na Califórnia, foi redigida por um cibernauta anónimo, no domingo, no Twitter:

 

Rahul Gandhi, líder da oposição, manifestou o seu desagrado na mesma rede social. Em resposta, o Partido do Povo Indiano, de Narenda Modri, respondeu que Gandhi “pretende desviar as atenções”, depois de terem recebido várias denúncias, de que este poderá estar ligado ao escândalo da Cambridge Analytica.

Raul Ghandi negou estas acusações. Narendra Modri é um dos cinco políticos mais populares e ativos no Twitter, sendo seguido por 41,4 milhões de utilizadores.

Ler mais
Recomendadas

Comunidade Económica da África Ocidental quer moeda única em 2020

Os 15 países da CEDEAO reafirmaram esta segunda-feira, em Abidjan, o objetivo de lançar uma moeda única em 2020, apesar dos “desafios” deste projeto pensado há 30 anos.

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.

Morsi, antigo presidente do Egito, morre em tribunal

O antigo presidente do Egipto Mohammed Morsi, acusado de espionagem, morreu em tribunal, avança a televisão pública egípcia.
Comentários