Apoios a grupos de media andam entre 9% e 10,2% das receitas trimestrais

Governo utilizou receitas de publicidade e circulação para calcular apoios aos media, mas percentagem varia consoante o grupo. Impresa recebe equivalente a 10,2% da receita do segundo trimestre de 2019. Seguem-se Media Capital (9,9%) e Cofina (9,6%). Se recebesse um apoio correspondente a 9%, a Impresa perderia 400 mil euros, o equivalente a quatro vez mais do montante destinado ao “Observador”.

O Governo calculou os apoios a atribuir a cada grupo de media tendo por base as receitas de publicidade e de circulação do segundo trimestre de 2019.

“Tendo em conta o somatório dos valores de receitas de comunicações comerciais e de circulação no período homólogo, que foram comunicados ao Governo pelas entidades representativas do setor e pelos órgãos de comunicação social de âmbito nacional, e o montante total disponível para estas entidades, de 11,25 milhões de euros, foi calculada a percentagem a alocar a cada um”, de acordo com o gabinete do secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media.

O Governo distribuiu os apoios a 13 grupos de media com base numa percentagem da soma das receitas de publicidade e circulação no segundo trimestre de 2019, garantindo que o critério foi o mesmo para todos, mas sem divulgar as percentagens em questão.

O JE fez as contas, com base nos números divulgados pelos grupos de media que estão cotados em bolsa e nos da Megafin, a empresa que detém o nosso jornal. Chegámos à conclusão de que os apoios distribuídos a estes quatro grupos correspondem a entre 9% e 10,2% das receitas de cada um no segundo trimestre do ano passado, com a Impresa e a TVI a ficarem não só com mais de metade do bolo em termos absolutos, mas também com os valores mais altos em termos relativos (10,2% e 9,9% das suas receitas entre abril e junho de 2019).

Por exemplo, se a Impresa (dona da SIC e do “Expresso”) recebesse um apoio correspondente a 9% das receitas, como a Megafin, teria direito a menos 409 mil euros de apoio. Este valor é superior ao que o jornal “Público” vai receber; é mais de quatro vezes superior ao montante atribuído ao “Observador” e corresponde a cerca de 14 vezes mais do que o destinado ao Jornal Económico.

No caso da Media Capital (dona da TVI), uma percentagem de 9% representaria menos 300 mil euros em termos de apoio.

Os outros grupos não divulgam contas trimestrais e por isso não foi possível fazer os respectivos cálculos. Mas esta breve análise já permite concluir que houve que houve quem recebesse mais, não só em termos absolutos como relativos, em função do critério utilizado para calcular os apoios.

 

Total de receitas de publicidade e circulação (segundo trimestre de 2019)Valor do apoio estatalPercentagem das receitas a que corresponde o apoio
Impresa34,1 milhões3,49 milhões10,2%
Media Capital33,7 milhões3,34 milhões9,9%
Cofina17,6 milhões1,69 milhões9,6%
Megafin320 mil28.8449%

Nota: valores em euros, salvo quando indicado

Para fazer esta comparação, o JE analisou as contas dos três grupos cotados em bolsa (cujos números trimestrais estão disponíveis no site da CMVM) e os da Megafin, a empresa proprietária do nosso jornal.

Impresa e Media Capital recebem mais de metade do bolo

Desta análise, conclui-se que os apoios atribuídos correspondem ao equivalente a entre 9% e 10,2% das receitas registadas no segundo trimestre do ano passado, com a Impresa (dona da SIC e do Expresso) a liderar a tabela, seguida da Media Capital, proprietária da TVI. Estes grupos ficaram com a maior fatia dos apoios em termos absolutos (com mais de metade do bolo), tendo também liderado em termos relativos, em proporção das receitas.

A Impresa teve um total de receitas de circulação e de publicidade de 34,1 milhões de euros, com os 3,5 milhões de euros de apoios a representarem uma percentagem de 10,22% sobre este valor.

Já a Media Capital (dona da TVI) faturou um total de 33,7 milhões de euros em publicidade no segundo trimestre de 2019, tendo recebido um apoio de 3,37 milhões de euros. Ou seja, recebeu o equivalente a 9,9% das suas receitas.

No caso da Cofina (dona do Correio da Manhã), as suas receitas no segundo trimestre de 2019 atingiram um total de 17,66 milhões de euros, com o apoio agora anunciado a ascender a 1,69 milhões, ou seja, 9,57% sobre as receitas. Já olhando para a Megafin, dona do Jornal Económico, as receitas de publicidade e circulação entre abril e junho de 2019 ascenderam a 320 mil euros, pelo que o apoio 28.844 euros corresponde a 9,01% daquele montante.

A divulgação do bolo de apoio aos media causou polémica em Portugal esta semana.

O “Observador” anunciou que vai rejeitar o apoio estatal (de 90,5 mil euros) porque “nunca solicitou este tipo de apoio”, considerando que o “programa não cumpre critérios mínimos de transparência”.

Também o “Eco” (18,9 mil euros) anunciou que vai rejeitar o apoio dado pelo Governo, considerando que o “processo não tem a transparência que se exige tendo em conta o dinheiro público envolvido e o setor abrangido”.

Artigo publicado no Jornal Económico de 22-05-2020. Para ler a edição completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários