Apple investigada no Reino Unido por exigências “injustas” na App Store

Alguns programadores mostraram-se descontentes por serem obrigados a desenvolver as aplicações para para iPhones e iPads através da App Store, e também sobre a comissão que a Apple recebe. A Apple refuta as acusações e reitera que os termos são “justos e iguais”.

Flickr

A Autoridade da Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA – sigla em inglês) lançou uma investigação sobre se os termos da loja digital da Apple para programadores de aplicações são anti-concorrência. A investigação vem na sequência de uma série de reclamações, incluindo uma de alto perfil da autoria da Epic Games (produtora do Fortnite), segundo a “BBC”.

Alguns programadores mostraram-se descontentes por serem obrigados a desenvolver as aplicações para para iPhones e iPads através da App Store, e também sobre a comissão que a Apple recebe. A Apple refuta as acusações e reitera que os termos são “justos e iguais”.

A investigação vai analisar se a Apple tem uma posição dominante na distribuição de aplicações nos seus dispositivos e se, de facto, impõe termos injustos aos programadores.

Andrea Coscelli, presidente-executivo da CMA afirmou que “milhões de nós usamos aplicações todos os dias para verificar o tempo, jogar ou pedir comida. Portanto, reclamações de que a Apple está a usar a sua posição no mercado para definir termos que são injustos ou podem restringir a concorrência e a escolha – potencialmente fazendo com que os clientes percam na hora de comprar e usar aplicações – justificam um escrutínio cuidadoso”.

Por sua vez, a Apple respondeu dizendo que “acreditamos em mercados prósperos e competitivos onde qualquer grande ideia pode florescer. A App Store tem sido um motor de sucesso para programadores de aplicações, em parte devido aos rigorosos padrões que temos em vigor – aplicados de forma justa e igual a todos os programadores – para proteger os clientes de malware e evitar a coleta de dados desenfreada sem o seu consentimento”.

“Esperamos trabalhar com a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido para explicar como as nossas diretrizes de privacidade, segurança e conteúdo tornaram a App Store um mercado confiável para consumidores e desenvolvedores”, acrescentou a gigante tecnológica.

Em 2020, a Epic Games avançou com uma ação legal contra a Apple e a Google nos Estados Unidos, depois de ambas terem retirado o Fortnite das suas lojas digitais para smartphones.

A linha centrou-se no corte de até 30% que os gigantes da tecnologia recebem em comissões quando as pessoas compram uma aplicação, assinatura ou item nas lojas digitais da Apple a Google, bem como na dificuldade em lançar uma aplicação móvel sem ir contra as regras das lojas de aplicações de ambas as empresas.

Em agosto, a Epic contornou os termos das lojas da Apple e da Google para permitir que os jogadores de Fortnite comprassem a moeda virtual do jogo por um preço mais baixo diretamente, resultando numa suspensão imediata em ambas as lojas.

A disputa atraiu a atenção de reguladores e políticos, com a Câmara dos Representantes do estado do Arizona a aprovar uma lei que proíbe a Apple e a Google, e qualquer outra loja de aplicações com mais de um milhão de downloads, de exigir que programadores nascidos no estado usem exclusivamente as lojas digitais.

A lei também abrange utilizadores com residência no estado, mas ainda não é claro como é que isso afetará as empresas sediadas em outros estados, mas que realizam vendas no Arizona.

Na Europa, a Apple enfrenta duas investigações sobre se violou as regras de concorrência, uma das quais relacionada às políticas da loja de aplicações.

Ler mais
Recomendadas

Apritel afrima que Portugal está “na liderança da descida de preços nos pacotes” de comunicações

A associação aponta que “mais uma vez o preço das comunicações desce mais em Portugal do que na Europa” e que o país está “na liderança da descida de preços nos pacotes de comunicações”, subscritos por 88% das famílias portuguesas.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.
Comentários