PremiumArrefecimento global põe em causa subida do ‘rating’ de Portugal pela S&P

Standard and Poor’s avalia hoje a dívida soberana portuguesa. A agência norte-americana mantém a notação de Portugal em ‘BBB-’, desde 2017, mas subiu ‘outlook’ para positivo na última avaliação.

Em setembro de 2017, a Standard and Poor’s (S&P) surpreendeu e ao fim de cinco anos retirou Portugal do patamar do ‘lixo’, tornando-se a primeira das três agências de notação financeira que tinham colocado a dívida soberana portuguesa nesta categoria a fazê-lo. A melhoria refletiu-se na confiança das instituições internacionais e no custo de financiamento do país. Esta sexta-feira, a notação de Portugal está novamente debaixo do foco da agência americana e, apesar de os analistas não descartarem uma eventual subida do atual rating ‘BBB-‘, mostram-se cautelosos.

Na última avaliação, em setembro, a S&P manteve a notação da dívida soberana portuguesa, mas subiu o ‘outlook’ de ‘estável’ para ‘positivo’, deixando uma mensagem clara: não descartava um upgrade se o ritmo de redução da dívida pública e privada avançasse ao nível das melhorias na estabilidade financeira, com uma desalavancagem de três a cinco pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB) ao ano.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Respostas Rápidas: o que é que a S&P prevê para a economia portuguesa?

A Standard & Poor’s melhorou na sexta-feira a perspetiva do notação soberana portuguesa para positiva. Veja aqui o panorama que a agência prevê para a economia portuguesa nos próximos anos.

Standard & Poor’s sobe perspetiva do ‘rating’ de Portugal

A agência manteve a notação inalterada, mas subiu a perspetiva. “Esperamos que a economia portuguesa cresça perto de 2% anualmente até 2021, com o défice a melhorar até 0,4% do PIB em 2020, de 0,7% este ano”, disse a agência, num relatório.
Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários