PremiumAuditoria sobre CTT pedida em 2017 ainda não chegou ao Parlamento

Anacom lançou consulta pública sobre serviço postal e já há projetos no Parlamento sobre os CTT. Mas deputados ainda não têm relatório da IGF.

Quase dois anos depois de o Parlamento decidir pedir ao Governo “uma avaliação das responsabilidades contratuais subjacentes à concessão em vigor entre o Estado e os Correios de Portugal (CTT)”, os resultados da auditoria requerida à Inspeção-Geral de Finanças (IGF) ao funcionamento do serviço postal universal ainda não deu entrada na Assembleia da República (AR).

Ao Jornal Económico, fonte oficial do Ministério das Finanças, que tutela a IGF, garantiu, sem apontar datas, que “o relatório da auditoria será brevemente entregue no Parlamento”.

A auditoria em causa foi aprovada pelo Parlamento em 15 dezembro de 2017 e publicada em “Diário da República” em 24 de janeiro de 2018, após aprovação em plenário de um projeto de resolução apresentado pelo Partido Socialista (PS).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários