Aumento de capital da Flexdeal subscrito em 25%

Através da operação, o capital social da Flexdeal aumentou de 16,103 milhões de euros para 18,585 milhões, correspondendo a um encaixe financeiro 2,481 milhões.

O oferta pública de subscrição de ações (OPS) da Flexdeal, primeira (e até agora, única) sociedade de investimento mobiliário para fomento da economia (SIMFE) em Portugal, foi subscrita em 25%, resultando num aumento de capital de 2,48 milhões de euros, o que compara com os 10 milhões de euros que a empresa estipulara no prospeto da operação.

“Com a conclusão desta operação a Flexdeal fica mais capacitada para desenvolver o seu Plano Estratégico de investir em pequenas e médias empresas (PME’s) nacionais como forma de alocar capital a oportunidades de investimento em capitais próprios de PME’s, em Portugal, mediante condições definidas”, afirmou a Flexdeal em nota enviada às redações.

A Flexdeal entrou em bolsa no final de 2018 e a 25 de agosto deste ano anunciou o lançamento do aumento de capital através da oferta de dois milhões de novas ações, a cinco euros cada, um valor superior à cotação de cada ação em bolsa, que é de 4,82 euros.

No documento de resultados da OPS, publicado no site da CMVM, a Flexdeal explicou que tendo ficado por subscrever 1,503 milhões de novas ações, não foi necessário proceder ao rateio, tendo sido integralmente satisfeitas as ordens de subscrição recebidas e devidamente validadas durante o período da oferta.

“Uma vez que a oferta não se encontrava sujeita a qualquer condição, designadamente à subscrição integral do aumento de capital, e por se verificar que, no final do período de oferta, não foi atingido o máximo de 2.000.000 (dois milhões) de novas ações subscritas, o aumento de capital é automaticamente reduzido ao número de novas ações visadas pelas ordens de subscrição recebidas e devidamente validadas”, referiu.

Através da operação, o capital social da Flexdeal aumentou de 16,103 milhões de euros para 18,585 milhões,  correspondendo a um encaixe financeiro 2,481 milhões.

A liquidação física e financeira das novas ações subscritas no exercício dos direitos de subscrição ocorrerá no dia 28 de setembro de 2020 e a liquidação financeira das novas ações atribuídas para satisfação dos pedidos de subscrição adicional e das novas ações subscritas pelos investidores em geral fora do exercício de direitos ocorrerá a 29 de setembro de 2020, concluiu a Flexdeal.

A 11 de setembro, em entrevista ao Jornal Económico, Alberto Amaral, CEO da Flexdeal, disse que “o sucesso desta operação não é conseguir fazer os 10 milhões de euros [de aumento de capital na Oferta Pública de Subscrição], o sucesso desta operação é conseguir entregar mais euros, injetar mais euros na economia nacional”.

 

CEO da Flexdeal: “Por cada euro que levamos a uma PME, a meta está cumprida”

Ler mais

Relacionadas

Pode o Pequeno e Médio Investidor português ser a solução para as PMEs portuguesas?

Reconhecendo que o poder central terá um papel relevante e que a banca será chamada a avaliar a situação financeira das empresas para atribuição de crédito nos próximos trimestres, fica por esclarecer como vão as PMEs portuguesas viáveis angariar capitais próprios para se apresentarem à banca e obter financiamento?

PremiumCEO da Flexdeal: “Por cada euro que levamos a uma PME, a meta está cumprida”

A Flexdeal, primeira e única SIMFE portuguesa, está a fazer um aumento de capital em bolsa de 10 milhões de euros. O CEO diz ao JE que o objetivo principal é canalizar mais investimento para as PME.

Flexdeal lança oferta para aumento de capital em 10 milhões

Segundo a CMVM, a Flexdeal indicou que no dia 3 de agosto a sua assembleia-geral deliberou aumentar o capital social de 16.103.580,00 euros para 26.103.580,00 euros.
Recomendadas

Governo da Madeira adjudicou empréstimo de 458 milhões de euros sem aval do Estado

A Região Autónoma da Madeira foi autorizada em sede de Orçamento Suplementar do Estado a contrair um empréstimo até 10% do PIB regional de 2018 – 495 milhões de euros – para fazer face à crise provocada pela pandemia.

Vindimas 2020: No Dão, menos rendimento, mas vinhos “fantásticos”

No Dão, a realidade foi semelhante, como região de clima moderado a frio a antecipação foi ainda superior, sendo de cerca 3 semanas.

Portugueses mais preocupados com poupança e com “desconforto” para contrair empréstimos

O inquérito “Observatório Tendências 2020”, realizado pelo Grupo Ageas Portugal e e a Eurogoup Consulting Portugal, concluiu que 39% dos inquiridos sentiram um aumento das necessidades de poupança por causa da pandemia e que preferem não contrair um empréstimos nos próximos meses.
Comentários