PremiumAutarcas históricos de volta aos lugares onde foram felizes

Circunstâncias muito diferentes podem tirar da Assembleia da República o socialista Raul Castro e o social-democrata Fernando Ruas.

Fernando Ruas e Raul Miguel Castro têm em comum os 72 anos, um historial de “dinossauros autárquicos”, com sucessivos mandatos à frente de capitais de distrito, e o facto de terem sido eleitos deputados em 2019. Mas o social-democrata Ruas, atual presidente da Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, e o socialista Castro, vice-presidente da mesma comissão parlamentar, poderão coincidir também na decisão de saírem da Assembleia da República para regressarem a autarquias onde foram felizes.

No caso de Raul Miguel Castro, que trocou a Câmara de Leiria pelo lugar de deputado em 2019 – antecipando o problema de não se poder recandidatar após a conquista do terceiro mandato em 2017 –, a decisão já foi tomada e gerou ondas de choque. Não em Leiria, onde o seu antigo vice-presidente Gonçalo Lopes enfrentará o vereador social-democrata Álvaro Madureira, mas sim na vizinha Câmara da Batalha, que Castro liderou entre 1989 e 1996, enquanto independente eleito nas listas do CDS.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumTK Elevator sucede a ThyssenKrupp com 400 profissionais em Portugal

Independente desde 31 de julho de 2020, a empresa conta com uma carteira de 1,4 milhões de elevadores e escadas mecânicas no mercado nacional. Ricardo Malheiro, CEO da TK Elevator, explica ao JE o impacto da pandemia na atividade da empresa.

PremiumAlguns socialistas, os líderes da direita e Paulo Portas

Historiadora Maria de Fátima Bonifácio fará um mini ensaio sobre a relação dos portugueses com o Estado ao longo da História, até à ‘era Salazar’.

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.
Comentários