Banco de Inglaterra diz que alterações futuras às taxas de juro dependem do tipo de Brexit

O Banco de Inglaterra manteve a taxa de juro inalterada em 0,75% e faz depender as mexidas na forma como o Brexit vier a ocorrer. No caso de um Brexit duro, o banco central admite que a taxa de juro vai “provavelmente descer”. Mas, no caso de uma saída da União Europeia ordenada, poderá aumentar as taxas de juro “a um ritmo gradual e até a um determinado limite”.

Alessia Pierdomenico/Reuters

Numa decisão unânime, o Monetary Policy Committee do Banco de Inglaterra decidiu, esta quinta-feira, não alterar a taxa de juro diretora, mantendo-a em 0,75%. Mas admitiu que poderá baixar as taxas de juro devido à incerteza em torno do Brexit num contexto de arrefecimento do crescimento da economia mundial.

O Comité revelou que qualquer decisão sobre as taxas de juro estão dependentes da forma do Brexit. No caso de um Brexit sem acordo, “a taxa de juro provavelmente vai descer”, lê-se no comunicado da decisão.

As decisões sobre as taxas de juro do Comité terão de equilibrar a pressão sobre a inflação, a desapreciação da libra e qualquer redução na capacidade produtiva, com a possível pressão da redução da procura”, explicou o BdI.

“Nesta eventualidade, a resposta da política monetária não será automática e poderá ser tomada em qualquer direção”, lê-se no documento.

No caso de um processo claro saída da União Europeia, o banco central admite “um excesso significativo da procura no médio-prazo”, desde que a economia mundial recupere dinamismo. “Caso tal suceda, o Comité considera que o aumento das taxas de juro, a um ritmo gradual e até a um determinado limite, seria apropriado para recolocar de forma sustentável a taxa de inflação na meta dos 2%”.

Apesar da forma do Brexit, o Comité mantém -se firme em “executar uma política monetária apropriada para alcançar a meta de inflação de 2%”.

Para James Smith, economista do ING, considerou que a postura do BdI demonsta que está “relutante em seguir a Reserva Federal e o Banco Central Europeu no sentido de uma política acomodatícia num futuro próximo”.

Esta quarta-feira, o banco central norte-americano cortou a taxa de juro diretora em 25 pontos base, para um intervalo de 1,75% a 2%, seguindo a política do BCE que, na semana passada, cortou a taxa de juro de depósito em dez pontos base para -0,5%.

James Smith explicou ainda que o que mais saltou à vista na decisão do BdI foi a preocupação sobre outlook em relação à subida dos salários, que “tem sido o pilar para a atitude mais hawkish” do banco central nos últimos anos.

Ler mais

Relacionadas

Um passo atrás da Fed e do BCE, bancos centrais em Londres e Tóquio têm de esperar para lançar estímulos

Os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm reuniões esta quinta-feira e ambos têm razões para adiar novas medidas acomodatícias para combater as incertezas globais. No caso do primeiro será o aumento do IVA, enquanto no do segundo a causa do atraso será o suspeito do costume: o Brexit.

Reserva Federal corta taxas de juro em 25 pontos base para 1,75%-2%

O banco central liderado por Jerome Powell repetiu a dose, após em julho ter feito o primeiro corte na ‘federal funds rate’ em mais de uma década.

Powell vê ajustes “modestos” às taxas de juros, mas admite ciclo mais longo de cortes se economia travar

“Se a economia ficar mais negativa, então sequência mais extensa de cortes nas taxas seria apropriada”, sublinhou o presidente da Fed. “Nós não vemos isso [a acontecer], não é o que esperamos, mas… certamente seguiríamos esse caminho, se se tornasse apropriado”.
Recomendadas

Coronavírus contagia Wall Street que cai mais de 4%

A Microsoft caiu mais de 7% depois de um ‘profit warning’. O mercado de ações continua em queda acentuada. Noutros mercados, o petróleo crude West Texas cai 4,9%, para 46,34 dólares, fruto da menor procura mundial devido ao coronavírus.

Wall Street acelera para território de correcção

Os próximos dias serão importantes para perceber qual a consistência do sentimento.

PSI 20 com perdas consideráveis. Seis títulos com desvalorizações superiores a 3%

Restantes praças europeias negociaram no vermelho num dia em que seis títulos do PSI 20 fecharam a desvalorizar 3%.
Comentários