Bancos angolanos deixam de exigir documentos de viagem para levantar divisas

A partir do próximo ano, os cidadãos poderão ir ao banco para ter acesso a moeda estrangeira, mantendo-se apenas limites relacionados com a prevenção de crimes.

Os bancos angolanos vão deixar de exigir aos clientes a apresentação de comprovativos de viagem para terem acesso a divisas estrangeiras, mas vão estar atentos à “natureza das operações”, disse esta quinta-feira o vice-governador do Banco Nacional de Angola (BNA).

Segundo Manuel Tiago Dias, a partir do próximo ano, os cidadãos poderão ir ao banco para ter acesso a moeda estrangeira, mantendo-se alguns limites e exigências relacionadas com a prevenção do branqueamento de capitais e do terrorismo, que deverão continuar a ser observadas pelos bancos comerciais e pelas casas de câmbio.

“Os bancos terão de ter conhecimento dos clientes e, principalmente, da natureza das operações que os clientes realizam”, salientou o responsável do BNA, em conferência de imprensa.

De acordo com o aviso do BNA, de 06 de novembro, deixam também de existir limites mensais e passa apenas a existir um limite anual de 120 mil dólares (109 mil euros) para as operações de “pessoas singulares residentes cambiais maiores de 18 anos”, independentemente da finalidade ou do instrumento de pagamento utilizado.

Não estão sujeitas a este limite as despesas de saúde, educação e alojamento e a transferência de recursos acumulados por cidadãos estrangeiros não residentes durante a sua estadia no país, ao cessar a sua permanência no país.

Recomendadas

Da manipulação do vírus pela imprensa ao comum mortal. As frases polémicas de Jair Bolsonaro

Desde janeiro, quando o vírus se começou a propagar pelo mundo e pelo Brasil, que o presidente brasileiro desvalorizou a crise sanitária do novo coronavírus, chegando a atacar governadores e ministros da Saúde por terem ideias contrárias às suas.

UGT espanhola propõe um ano de teletrabalho para funcionários do Estado

Sindicato pretende regular o regime de trabalho com uma negociação coletiva. Após o confinamento, mais de metade dos funcionários públicos retomaram o trabalho de forma presencial.

EUA vão pagar 1,4 mil milhões de euros para Novavax desenvolver 100 milhões de vacinas da Covid-19

O governo dos EUA decidiu apostar e confiar na Novavax, uma empresa do estado do Maryland que nunca colocou um produto no mercado.
Comentários