BestKoin. Nova criptomoeda para o turismo é portuguesa

A partir de novembro, clientes e operadores usar a criptomoeda para pagamentos junto dos parceiros do projeto ou para transacionar divisas. “É uma simplificação das transações”, explicou Paulo Ferreira, um dos fundadores, ao Jornal Económico.

A BestKoin é uma nova criptomoeda portuguesa, desenhada a pensar em agentes de viagens, operadores turísticos e clientes, lançada esta terça-feira, no Algarve. A moeda digital, que estará disponível para comercialização em novembro, pretende evitar desperdícios de tempo e dinheiro em transferências entre países, segundo explicou, ao Jornal Económico, o co-fundador do projeto Pedro Ferreira.

“Esta criptomoeda substitui transações tradicionais”, afirmou. A BestKoin pretende diminuir os custos e aumentar tanto a segurança dos dados como a proteção da privacidade em transações internacionais relacionadas com o turismo.

O co-fundador dá o exemplo de um residente no México que queira visitar o Japão e se vê obrigado a encontrar um operador turístico mexicano para contactar com o Japão, onde terá de pagar em ienes. O mais provável é que tenha de trocar pesos mexicanos para dólares norte-americanos e, posteriormente, para ienes japoneses.

“As pessoas acabam por ter de pagar muito mais. Até os operadores turísticos têm riscos porque se se comprometem com um preço ao cliente, depois de tudo isto poderão ver a margem reduzida ou até ter prejuízo”, referiu.

A indústria turística gerou mais de 7,2 biliões de dólares, em 2016. No entanto, grande parte dos retornos do online booking fica nos grandes intermediários, o que a empresa considera que atrasa o desenvolvimento dos negócios. É para combater este problema que nasce a BestKoin.

A partir de novembro, clientes e operadores podem comprar a criptomoeda e usá-la para pagamentos junto dos parceiros do projeto ou, em alternativa, convertê-la na divisa necessária. “É uma simplificação das transações”, disse Pedro Ferreira.

Para já há três entidades que se associaram à BestKoin que irão aceitar pagamentos na moeda virtual. O cirurgião plástico brasileiro Danilo Dias irá não só aceitar pagamentos pelos seus serviços na moeda digital como permitir o uso na sua cadeia de clínicas e hotéis. O terceiro parceiro é o festival de música eletrónica BPM, que irá usar a BestKoin como moeda exclusiva do evento.

“Esta é uma moeda que se baseia em parceiros e transações reais”, disse o co-fundador, sublinhando que a rede irá crescer nos próximos meses já que “houve interesse de muitos mais parceiros e a nível global”.

Pedro Ferreira acrescentou que a empresa tem um fator diferenciador dentro do mundo cripto. “Temos estrutura e credibilidade, que é o que carece à larga maioria das criptomoedas hoje em dia”, afirmou, sublinhando querer contribuir para que as criptomoedas “sejam um meio de pagamento credível e seguro para que possa ser integrado na economia real e o sistema financeiro”.

Ler mais
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários