De Bill Gates a Li Shufu. Os mais ricos da indústria automóvel

O ‘ranking’ da agência “Bloomberg” coloca Bill Gates no topo, porque a sua participação na concessionária AutoNation contribui para a fortuna, maioritariamente proveniente da Microsoft e da Cascade Investment.

Os empresários e gestores Bill Gates (AutoNation), Larry Ellison (Tesla), Elon Musk (Tesla), Cyrus Pallonji Mistry (Tata Motors), Susanne Klatten (BMW), Stefan Quandt (BMW) e Li Shufu (Geely Automobile e Zhejiang Geely) são os sete mais ricos da indústria automóvel mundial, segundo o ranking da agência financeira “Bloomberg”.

Apesar de não ser o nome que todos esperariam na liderança desta tabela, Bill Gates está no topo porque a sua participação na concessionária AutoNation (9% do património líquido total) também contribui para fortuna (105 mil milhões de dólares), maioritariamente proveniente da Microsoft e da Cascade Investment.

Em segundo lugar está Larry Ellison, cofundador da tecnológica Oracle, que comprou no início do ano uma posição equivalente a mil milhões de dólares na Tesla. A sua riqueza ascende a 58 mil milhões de dólares. Já Elon Musk, que é o CEO dessa mesma empresa de Palo Alto, tem uma fortuna avaliada em 22,9 mil milhões de dólares, sendo que a percentagem da posição que detém na Tesla corresponde a 36,9% dos seus cofres.

Recomendadas

Lucros da banca sobem 133% em 29 anos, já o crédito a clientes subiu 862%

Desde 1990, verificou-se um aumento de concentração do sistema bancário português. Ao longo do período para o qual existe informação comparável, Portugal apresenta um nível de concentração superior ao da área do euro, o que poderá ser explicado pelo facto dos países mais pequenos tenderem a ter níveis de concentração mais elevados, explica o BdP.

Moody’s atribui ‘rating’ B2 com ‘outlook’ estável à TAP e ao empréstimo obrigacionista

Depois da Standard & Poor’s, é a vez da Moody’s iniciar a análise de ‘rating’ da companhia aérea nacional.

Moody’s atribui à dívida da TAP quinto nível de “lixo”

A agência de notação financeira norte-americana atribuiu o ‘rating’ “B2” à emissão de obrigações anunciada ontem.
Comentários