Bloco de Esquerda considera ser preciso “uma intervenção determinada” em Odemira

José Manuel Pureza aponta “há muitos anos que o Bloco e as associações têm denunciado de forma muito persistente situações como aquelas que agora estão a ser descobertas pelo país”.

O deputado do Bloco de Esquerda (BE) José Manuel Pureza considerou ser precisa a realização de uma intervenção em Odemira.

Durante o programa “Fórum TSF”, o deputado do BE defendeu ser “preciso uma intervenção determinada que já vem tarde de regular as condições de habitação destas pessoas”. “Há muitos anos que o Bloco e as associações têm denunciado de forma muito persistente situações como aquelas que agora estão a ser descobertas pelo país que estava distraído desta realidade”, frisou José Manuel Pureza.

O bloquista referiu que a pandemia “veio por a nu uma situação generalizada de condições de habitação inaceitáveis” e demonstrou ainda a sua “perplexidade e indignação” para com os discursos que se levantam por causa da propriedade privada quando “o que esta em causa é o direito à vida”.

Os comentários relativamente à propriedade remetem para a perspetiva do Presidente do CDS-PP sobre o que sucede em Odemira. Francisco Rodrigues dos Santos acredita que o Governo falhou em Odemira “por ação porque transferiu para os privados a solução para esta situação, o que é de facto grave porque ocupou-lhes as casas e cerceou o direito à propriedade privada”.

A situação de imigrantes ilegais continua a ser investigada, mas até ao momento o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) já detetou 32 inquéritos-crimes sobre tráfico de pessoas.

Relacionadas

Odemira. Governo ordena encerramento de empreendimentos turísticos e de alojamento local nas duas freguesias com cerca sanitária

O Executivo determina o encerramento da atividade dos empreendimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local nas freguesias de São Teotónio e Longueira – Almograve. Estabelecimentos devem comunicar as forças de segurança a identidade dos seus hóspedes para garantir a sua saída da cerca sanitária.

Eduardo Cabrita sobre Zmar: “Estamos a falar de um parque de campismo em situação de insolvência em que o Estado é o maior credor”

O ministro rejeita a possibilidade de as autoridades usarem casas privadas e aproveitou para responder ao bastonário da Ordem dos Advogados: “O primeiro direito humano é o direito à saúde. Espero que o trabalho com direitos e o trabalho com migrantes também sejam uma preocupação da Ordem dos Advogados”.
Recomendadas

“Senti como uma agressão. Um modo de agir preconceituoso e racista”. Deputada Romualda Fernandes reage a episódio com a Lusa

Citada hoje pelo Público, a deputada socialista refere que “infelizmente” não lê o episódio “como um lapso, ou como um erro”, porque no seu entender “reflete um pensamento, um modo de agir profundamente preconceituoso e racista” que sentiu “como uma agressão”.

Matos Fernandes sobre o novo leilão solar: “Será lançado em setembro”

Depois dos leilões de 2019 e de 2020, o Governo prepara um novo leilão solar para aumentar a capacidade de produção de energia fotovoltaica, mas sem ocupar terrenos. Pretende-se instalar painéis flutuantes em barragens. Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Ambiente e Ação Climática revela que já estão identificadas 7 albufeiras, 4 no Norte e 3 no Alentejo que vão a leilão para a instalação de painéis solares. Matos Fernandes anuncia ainda que o leilão vai ser lançado em setembro e com regras idênticas aos anteriores.

Matos Fernandes sobre o PRR: “Sabemos bem que estamos a correr contra o tempo”

“Sabemos bem que estamos a correr contra o tempo”. É assim que o ministro do Ambiente e Ação Climática define a execução do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR). Numa entrevista à Antena 1e ao Jornal de Negócios, Matos Fernandes admite que a sua maior preocupação é garantir todas as verbas disponíveis vão ser executadas, daí a antecipação de alguns projetos, como a ponte no Porto para o metro. 
Comentários