Bloco de Esquerda defende salário mínimo de 650 euros para 2020

Catarina Martins notou que é preciso “reforçar o salário mínimo nacional” e que “o Bloco de Esquerda defende já para janeiro de 2020, 650 euros no setor privado e no setor público”, sendo este um valor igual e que “puxa” pelos direitos de todos”.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, voltou a defender o aumento do salário mínimo nacional. Numa visita à feira de Vila do Prado em Braga, a líder máxima dos bloquistas assumiu que o salário mínimo devia subir para 650 euros já a partir de janeiro de 2020.

Apesar de reconhecer o aumento de 95 euros nos salários mínimos durante os últimos quatro anos, e de este representar “mais de dois meses de salário” para milhares de trabalhadores, a coordenadora do BE assume que este valor é “ainda muito baixo” e que “é um dos mais baixos da Europa”.

Catarina Martins notou que é preciso “reforçar o salário mínimo nacional” e que “o Bloco de Esquerda defende já para janeiro de 2020, 650 euros no setor privado e no setor público”, sendo este um valor igual e que “puxa” pelos direitos de todos”.

“Não é aceitável um país em que as pessoas mesmo trabalhando a tempo inteiro não conseguem sair da pobreza. Provámos que era possível subir o salário mínimo nacional nos últimos quatro anos, foi uma subida de quase 20% que só fez bem à economia, só criou emprego, (mas) é ainda pouco, podemos ter uma subida mais ambiciosa”, sustentou a bloquista.

Além do programa do partido para as legislativas de 2019 defender o aumento do salário mínimo, pretende ainda o aumento “ao longo da legislatura a um ritmo mais acelerado que os 5% médios da legislatura para beneficiar um milhão de trabalhadoras e trabalhadores”.

Recomendadas

Secretário de Estado não validou bilhete no metro de Lisboa? Polémica invade redes sociais

Miguel Cabrita, secretário de Estado do Emprego, saiu da estação de metro encostado a António Costa e as reações nas redes sociais não se fizeram esperar. Mas observando o vídeo com atenção, é possível perceber que o governante tem um bilhete na mão e que o valida.
Francisco Ferreira

Polémicas já provocaram a demissão de 15 membros do Governo de António Costa

José Artur Neves apresentou a demissão no mesmo dia em que a PJ realizou buscas no ministério da Administração Interna, Proteção Civil e a empresa fornecedora por suspeitas relacionadas com a compra das golas antifumo. A primeira demissão teve lugar cinco meses depois do Governo tomar posse, quando ministro da Cultura prometeu “salutares bofetadas” a crítico.

Secretário de Estado da Proteção Civil demite-se

Artur Neves pediu a exoneração do cargo do Secretário de Estado da Proteção Civil, após as buscas no âmbito do inquérito que investiga a polémica com as golas antifumo.
Comentários