Boeing marcou a semana em Wall Street

Queda das ações da gigante norte-americano teve impacto não apenas no Dow Jones, como também em vários ‘stakeholders’ da indústria da aviação.

epa07435148 A screen shows stock pricing information for the Boeing company at the end of the of the trading day at the New York Stock Exchange in New York, New York, USA, 13 March 2019. The United States joined most of the rest of the world on the same afternoon in grounding all Boeing 737 Max 8 planes following two separate crashes involving the model that have raised safety questions. EPA/JUSTIN LANE

A Boeing e a fatalidade com a variante do modelo 737 destacaram-se na evolução dos mercados dos EUA.  Esta companhia tem um peso de 10% no índice Dow Jones Industrial Average, pelo que impactou de forma relevante não só aquele índice, como um conjunto de stakeholders da indústria de aviação.

Os programas de recompra de ações próprias estão a recuperar para os níveis de 2018 e nas operações de fusões e aquisições a NVidia surpreendeu com a aquisição da Mellanox pelo montante de 6.9 mil milhões de dólares (mas que gera free-cash-flow anual de quase 200-300 milhões de dólares). Tal vai permitir consolidar a sua posição no mercado de armazenamento, bem como o cada vez mais relevante segmento da cloud. Esta operação também ajudou a uma maior recuperação do índice Nasdaq100 e a criar expetativas de uma evolução para os máximos de pelo menos seis meses. Este pode ser um dos melhores trimestres da história, após termos saído de um dos piores trimestres de sempre – o último de 2018.

A perspetiva de um novo envelope financeiro do BCE e alguns dados macroeconómicos da zona euro, que começaram a evidenciar sinais de recuperação, parece proporcionar um estímulo adicional  para assumir risco nas ações. A convicção dos investidores (patente no índice de volatilidade VIX que acumula uma desvalorização de -47.29%) é que os máximos registados pelos índices S&P500 e Nasdaq100 podem ser revisitados neste semestre, por exemplo, quando os cidadãos daquele país receberem as devoluções de IRS, na primeira quinzena de abril.

O sector bancário europeu (com mais dificuldade em gerar resultados perante o anúncio do BCE) e o de automóveis e componentes continuam em visível dificuldade e a lutar para conseguir gerar valor, o que poderá passar por reequacionar as ofertas de serviços tradicionais e o respetivo comissionamento.

O dissecado e novelesco processo do Brexit mantém-se adiado, sem a dimensão política para conseguir uma solução antes da data-limite de 29 de março.

A EDP não surpreendeu pelos resultados apresentados, destacando-se a diminuição da contribuição do mercado doméstico. Mas a geração de energia através das barragens e dos aerogeradores constitui uma nota muito positiva, com a empresa a anunciar a alienação de alguns activos. A Altri anunciou uma duplicação dos lucros quando o resultado operacional incrementou mais de 53%, com um aumento da produção para máximos históricos e mais eficiência de custos. A Cofina reportou um aumento dos resultados de 31%, também com saudáveis resultados operacionais e a F.Ramada uma melhoria da sua situação económico-financeira.

Ler mais
Recomendadas

Pirataria eletrónica: impactos económicos e sociais

A pirataria online tem ganho ao longo dos tempos maior relevância na agenda dos conselhos de administração das empresas de telecomunicações e media. A música e a produção de filmes foram os primeiros a sofrerem com a pirataria em larga escala através da internet. A mensuração dos custos económicos e sociais da pirataria não é […]

O novo regime dos ex-residentes – quais as obrigações fiscais para as empresas?

A Lei do Orçamento de Estado (“LOE”) para 2019 veio aditar o artigo 12º-A do Código do IRS e introduzir um novo regime fiscal aplicável a ex-residentes (“Regime”) no âmbito do qual são excluídos de tributação 50% dos rendimentos do trabalho dependente e dos rendimentos empresariais e profissionais dos sujeitos passivos que, tornando-se residentes para […]

“Assumir o fator humano no processo de decisão”

Todos os dias fazemos más escolhas e tomamos más decisões. Nesses processos não consideramos toda a informação disponível nem fazemos análises que conduzem a decisões absolutamente racionais e consistentes no tempo. Somos humanos e imperfeitos e é essa condição que justifica a importância da economia comportamental. Os avanços deste ramo da economia, influenciados por experiências […]
Comentários