Boeing marcou a semana em Wall Street

Queda das ações da gigante norte-americano teve impacto não apenas no Dow Jones, como também em vários ‘stakeholders’ da indústria da aviação.

epa07435148 A screen shows stock pricing information for the Boeing company at the end of the of the trading day at the New York Stock Exchange in New York, New York, USA, 13 March 2019. The United States joined most of the rest of the world on the same afternoon in grounding all Boeing 737 Max 8 planes following two separate crashes involving the model that have raised safety questions. EPA/JUSTIN LANE

A Boeing e a fatalidade com a variante do modelo 737 destacaram-se na evolução dos mercados dos EUA.  Esta companhia tem um peso de 10% no índice Dow Jones Industrial Average, pelo que impactou de forma relevante não só aquele índice, como um conjunto de stakeholders da indústria de aviação.

Os programas de recompra de ações próprias estão a recuperar para os níveis de 2018 e nas operações de fusões e aquisições a NVidia surpreendeu com a aquisição da Mellanox pelo montante de 6.9 mil milhões de dólares (mas que gera free-cash-flow anual de quase 200-300 milhões de dólares). Tal vai permitir consolidar a sua posição no mercado de armazenamento, bem como o cada vez mais relevante segmento da cloud. Esta operação também ajudou a uma maior recuperação do índice Nasdaq100 e a criar expetativas de uma evolução para os máximos de pelo menos seis meses. Este pode ser um dos melhores trimestres da história, após termos saído de um dos piores trimestres de sempre – o último de 2018.

A perspetiva de um novo envelope financeiro do BCE e alguns dados macroeconómicos da zona euro, que começaram a evidenciar sinais de recuperação, parece proporcionar um estímulo adicional  para assumir risco nas ações. A convicção dos investidores (patente no índice de volatilidade VIX que acumula uma desvalorização de -47.29%) é que os máximos registados pelos índices S&P500 e Nasdaq100 podem ser revisitados neste semestre, por exemplo, quando os cidadãos daquele país receberem as devoluções de IRS, na primeira quinzena de abril.

O sector bancário europeu (com mais dificuldade em gerar resultados perante o anúncio do BCE) e o de automóveis e componentes continuam em visível dificuldade e a lutar para conseguir gerar valor, o que poderá passar por reequacionar as ofertas de serviços tradicionais e o respetivo comissionamento.

O dissecado e novelesco processo do Brexit mantém-se adiado, sem a dimensão política para conseguir uma solução antes da data-limite de 29 de março.

A EDP não surpreendeu pelos resultados apresentados, destacando-se a diminuição da contribuição do mercado doméstico. Mas a geração de energia através das barragens e dos aerogeradores constitui uma nota muito positiva, com a empresa a anunciar a alienação de alguns activos. A Altri anunciou uma duplicação dos lucros quando o resultado operacional incrementou mais de 53%, com um aumento da produção para máximos históricos e mais eficiência de custos. A Cofina reportou um aumento dos resultados de 31%, também com saudáveis resultados operacionais e a F.Ramada uma melhoria da sua situação económico-financeira.

Ler mais
Recomendadas

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceria entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.

Alívio na guerra comercial inspira otimismo em Wall Street

A redução das restrições dos Estados Unidos na guerra comercial com a China e para com a Huawei, levaram as empresas que fornecem produtos ao grupo tecnológico a valorizar as suas ações.

Mexia: “Parceria da EDP com a Engie é uma medida natural no mercado”

O CEO da empresa portuguesa falou em Londres, na apresentação da parceria com a energética francesa. A ‘joint venture’ destina-se a criar líder de mercado no energia eólica ‘offshore’ e deve ser estabelecida até ao final do ano.
Comentários