Bolsa de Lisboa em terreno positivo com EDP a liderar ganhos

Lá fora, várias das principais praças europeias seguem a valorizar: Paris ganha 0,92%, Frankfurt valoriza 1,01 euros, e Madrid sobe 0,82%.

Justin Lane/EPA via Lusa

A bolsa de Lisboa está a subir 0,35% para 4.136,54 pontos na sessão desta quarta-feira.

Os ganhos estão a ser liderados pela EDP com uma subida de 1,26% para 4,17 euros.

Segue-se a Pharol com uma subida de 1,09% para 0,11 euros, seguida dos CTT com uma subida da 0,63% para 2,41 euros.

Já a Sonae ganha 0,53% para 0,57 euros, seguida da NOS com uma valorização de 0,46% para 3,06 euros.

O PSI 20 segue a negociar sem nenhuma cotada em terreno negativo e com várias a permanecerem inalteradas, como a Sonae Capital (0,70 euros), a REN (2,38 euros), a Mota-Engil (1,15 euros), a Nova Base (3,40 euros) e a Navigator (2,20 euros).

A Galp é a cotada com mais ações negociadas (434 mil), seguida da EDP (383 mil), a Jerónimo Martins (13,78 euros), a Mota-Engil (173 mil) e o BCP (82 mil).

Lá fora, Paris ganha 0,92%, Frankfurt valoriza 1,01 euros, e Madrid sobe 0,82%.

Hoje nas notícias, um membro do Conselho Executivo do Banco Central Europeu (BCE), Yves Mersch, disse hoje que a instituição pode  vir a enfrentar problemas legais se estender os poderes do programa de emergência (PEPP) a outros programas de compra de ativos, disse em entrevista à Bloomberg.

Nos Estados Unidos, o presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, vai intervir na Comissão Económica Conjunta, em Washington D.C., a partir das 15h00.

Em Portugal, o Instituto Nacional de Estatística vai publicar o défice nacional do primeiro semestre do ano, às 11h00.

 

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.

Wall Street fecha em queda acentuada e Dow atinge o valor mais baixo desde julho

As ações foram castigadas pela 2.ª vaga da Covid-19. A crescente pandemia e o fracasso de Washington em alcançar um acordo em torno de um novo estímulo fiscal antes das eleições de 3 de novembro levaram todos os três índices de ações a fecharem em queda de mais de 3%. O petróleo também sofreu uma queda significativa.

Covid-19 arrasa bolsas. DAX tomba 4% e PSI-20 perde 2% com derrocada da Galp

O petróleo continua a tendência descendente devido às restrições em numerosos países para travar a segunda vaga da pandemia de Covid-19, sobretudo nos Estados Unidos e Europa. A queda de 5% arrastou para perdas de 7% as ações da Galp. O índice alemão DAX tombou mais de 4% e liderou as quedas, castigado pelo anúncio da Chanceler alemã de um novo lockdown parcial no país durante o mês de novembro.
Comentários