Bolsa de Luxemburgo assinala cotação das primeiras obrigações de 17 mil milhões do SURE

Esta é a primeira emissão de obrigações deste tipo a ser emitida pela Comissão Europeia. Emissão servirá para conceder aos países europeus financiamento para os ajudar a suportar os custos com as medidas de apoio ao emprego no meio da crise pandémica.

Matthieu Rondel

A bolsa de valores do Luxemburgo assinalou, esta terça-feira, a cotação das primeiras obrigações de investimento social emitidas ao abrigo do instrumento SURE da UE. O fundo de apoio europeu criado para atenuar os danos causados pela pandemia da Covid-19, SURE, vai ter 17 mil milhões de euros de obrigações de investimento social cotadas no LuxSE. Trata-se da primeira emissão de obrigações deste tipo a ser emitida pela Comissão Europeia.

A sessão na bolsa luxemburguesa foi presenciada, esta terça-feira, pelo comissário europeu do Orçamento e Administração, Johannes Hahn, e pelo primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel que informaram que esta emissão será composta por duas tranches: a primeira será no valor de 10 mil milhões de euros com um prazo de vencimento de 10 anos e a segunda tranche será de sete mil milhões de euros com um prazo de vencimento de 20 anos.

“O principal objetivo da LGX reside em contribuir para o crescimento inclusivo e sustentável e a cotação de hoje constitui um marco importante não só para a Europa, mas também para o financiamento sustentável”, cita o comunicado as declarações de Robert Scharfe, presidente do conselho de administração da LuxSE.

A colocação de obrigações — que vai servir para conceder aos países europeus de forma a ajudá-los a suportar os custos com as medidas de apoio ao emprego no meio da crise pandémica — atraiu uma procura 13 vezes superior à oferta e ultrapassou os 233 mil milhões de euros.

Esta reação reflete “o apoio significativo da comunidade de investidores a uma obrigação de investimento social destinada a salvaguardar postos de trabalho e combater o aumento do desemprego nos países europeus devido à pandemia de Covid-19 e à consequente crise económica”.

O programa SURE da União Europeia visa contrair empréstimos até 100 mil milhões de euros nos mercados de capitais, a fim de apoiar os esforços de proteção do emprego e combater o desemprego em toda a Europa. Até à data, são 17 os Estados-Membros que receberão apoio financeiro do programa, num montante total de 87,9 mil milhões de euros, para proteger o emprego e os trabalhadores nos respetivos países. Desse montante, Portugal vai receber 5,9 mil milhões de euros que será atribuído sob a forma de empréstimos.

Ler mais

Relacionadas

SURE: Governo prevê que três mil milhões de euros de Bruxelas cheguem a Portugal já este ano

Ministério das Finanças anunciou que assinou esta segunda-feira o contrato de empréstimos ao abrigo do programa europeu de apoio ao emprego, tendo o mesmo sido já remetido à Comissão Europeia.
Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários