Bolsa portuguesa acompanha Europa em alta. Sector energético impulsiona PSI 20

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX avança 0,04%, o britânico FTSE 100 ganha 0,51%, o francês CAC 40 sobe 0,19% e o espanhol IBEX 35 cresce 0,02%.

Reuters

A bolsa portuguesa negoceia esta quarta-feira em alta, acompanhando a tendência das principais congéneres europeias. O principal índice bolsista português (PSI 20) soma 0,18%, para 5.211,50 pontos.

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX avança 0,04%, o britânico FTSE 100 ganha 0,51%, o francês CAC 40 sobe 0,19% e o espanhol IBEX 35 cresce 0,02%.

A praça portuguesa prolonga os ganhos da sessão de terça-feira, com os títulos do grupo EDP, Galp Energia e BCP a impulsionarem o PSI 20. A EDP Renováveis soma 0,98%, para 19,5 euros, a EDP ganha 0,39% para 4,619 euros, o BCP evolui 0,26% para 0,1551 euros e a a Galp avança 0,50% para 10,085 euros.

Note-se que a petrolífera nacional negoceia em linha com a tendência do mercado petrolífero, quando o Brent valoriza 0,47%, para 74,34 dólares, e o WTI ganha 0,46% para 72,46 dólares.

No entanto, é a construtora Mota-Engil que lidera os ganhos, valorizando 1,02% para 1,479 euros. Os CTT (0,68%), a Pharol (0,97%) e a Navigator (0,54%) também negoceiam em destaque.

No mercado cambial, o euro aprecia 0,03% face ao dólar para 1,2127 dólares. Na relação com a libra, a moeda única da zona euro deprecia 0,15% para 0,8596 libras. A libra avança 0,19% ante o dólar, para 1,411 dólares.

Recomendadas

Dow Jones rompe barreira dos 35 mil pontos em dia de ganhos em Wall Street

Depois das quedas de segunda-feira, os mercados norte-americanos fecharam mais uma semana no verde, conseguindo o quarto dia seguido de ganhos e alcançando novos máximos históricos.

Carregosa defende que atual fase do ciclo económico “deverá continuar a suportar o mercado de dívida”

“Relativamente ao nosso posicionamento, e uma vez que deveremos continuar a ter estabilidade nos spreads de crédito, vemos boas oportunidades em obrigações de High Yield, convertíveis, híbridas, verdes e fallen angles. Contudo, preferimos maturidades até aos 5 anos”, diz a análise do Banco Carregosa.

Terceiro trimestre pode ver “correção de mercado entre 5% a 10%”, aponta Banco Carregosa

A análise trimestral do Banco Carregosa coloca os mercados em linha para um correção que é vista com “bons olhos”, dado o baixo impacto dos “excelentes” resultados recentes na performance dos ativos.
Comentários