Bolsonaro deixa PSL para formar novo partido Aliança pelo Brasil

A saída de Bolsonaro acontece na sequência de uma série de desentendimentos com o presidente do PSL, Luciano Bivar. Esta não é a primeira vez que o presidente brasileiro troca de partido. O PSL foi o oitavo partido por onde Bolsonaro passou.

Em três décadas de carreira política, Jair Bolsonaro integrou um total de oito partidos. Agora prepara-se para fundar um nono, o Aliança pelo Brasil.

Esta terça-feira, o presidente do Brasil anunciou a sua retirada do Partido Social Liberal (PSL), o partido que o levou à presidência do país. “Hoje anunciei minha saída do PSL e início da criação de um novo partido. Agradeço a todos que colaboraram comigo no PSL e que foram parceiros nas eleições de 2018”, escreveu Bolsonaro na rede social Twitter.

Depois de uma série de desentendimentos entre o chefe de Estado e o presidente do PSL, Luciano Bivar, Bolsonaro decidiu ser melhor afastar-se do grupo.  A crise no partido veio a público no início do mês passado, quando Bolsonaro pediu a um apoiante para “esquecer” o PSL porque Bivar estava “queimado para caramba”. Desde então, o grupo aliado de Bolsonaro e a ala de Bivar lutaram pela liderança da bancada parlamentar do PSL.

Segundo o jornal brasileiro “Estadão”, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) afirmou esperar que Bolsonaro presida o novo partido. Segundo ela, a primeira convenção da sigla será realizada em 21 de novembro e  o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) sairá de imediato do partido.

Os advogados de Bolsonaro estimam que vão conseguir entregar, até março do ano que vem, as cerca de 500 mil assinaturas exigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para criação do novo partido. A ideia é viabilizar o partido a tempo de lançar candidatos às eleições municipais de 2020, o que exige aprovação na corte eleitoral até abril.

O TSE ainda não confirmou, “mas vai” permitir, de acordo com o deputado Daniel Silveira, que a recolha das assinaturas necessárias seja feita através de uma aplicação móvel.

Ler mais
Recomendadas

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.

Estudo: 5,4 milhões de americanos perderam o seguro de saúde entre fevereiro e maio

O estudo da defesa do consumidor das famílias norte-americanas indica que o aumento estimado de desempregados sem seguro durante este período foi superior em quase 40% do que o aumento anterior, que ocorreu durante a recessão de 2008 e 2009.

Comércio entre países lusófonos e a China cai 12% nos primeiros cinco meses do ano

O Brasil continua a ser de longe o país lusófono com o maior volume de trocas comerciais com a China, garantindo mais de 80% dos bens transacionados, seguindo-se Angola, Portugal, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.
Comentários