Brexit: Governo britânico quer cumprir saída a 31 de outubro

“Sabemos que a UE quer que saiamos, sabemos que temos um acordo que nos permite sair. Vamos sair a 31 de outubro. Temos os meios e a capacidade para o fazer”, insistiu Michael Gove.

Neil Hall / EPA

O número dois do governo britânico, Michael Gove, reiterou este domingo, 20 de outubro, o compromisso do Executivo em cumprir o Brexit a 31 de outubro, apesar de ter enviado uma carta à União Europeia (UE) solicitando uma prorrogação.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, enviou no sábado à noite uma carta não assinada à UE solicitando um adiamento da saída britânica até ao final de janeiro do próximo ano, devido à chamada Lei de Benn, que entrou em vigor no sábado, com essa exigência.

Juntamente com essa missiva, o líder conservador enviou uma segunda carta assinada, na qual afirma não achar benéfico adiar o “divórcio” britânico para além de 31 de outubro.

Michael Gove disse hoje à rede Sky que o governo mantém a “determinação” de materializar o Brexit no calendário estabelecido, porque há um sentimento no país sobre a necessidade de concluir o processo.

“Sabemos que a UE quer que saiamos, sabemos que temos um acordo que nos permite sair. Vamos sair a 31 de outubro. Temos os meios e a capacidade para o fazer”, insistiu Gove, numa referência ao pacto alcançado na quinta-feira com a UE.

“A determinação [pelo Brexit] do primeiro-ministro é total e eu apoio-o nisso, temos que sair a 31 de outubro”, disse Michael Gove, considerado o número dois e o responsável pelos preparativos do país, no caso de uma saída “difícil” da UE.

O chefe do governo foi forçado a enviar uma carta solicitando uma prorrogação depois de o parlamento ter aprovado no sábado uma emenda pedindo um adiamento do Brexit, o que levou o executivo a retirar a votação planeada do acordo.

Donald Tusk assumiu no sábado à noite que esperava a carta de Boris Johnson e numa publicação posterior garantiu que “o pedido de extensão chegou agora”, sustentando ainda que ia “consultar os líderes da UE sobre a próxima reação”.

A emenda, apresentada pelo deputado independente Oliver Letwin, foi aprovada por 322 votos a favor e 306 contra, numa sessão extraordinária na Câmara dos Comuns.

Ao não votar-se o acordo, entrou automaticamente em vigor a Lei de Benn, elaborada há algumas semanas pelos mesmos deputados, com o objetivo de impedir uma saída britânica não negociada a 31 de outubro.

A alteração adotada no sábado pretende funcionar como uma salvaguarda de segurança, caso o procedimento parlamentar da lei do Brexit não fique concluído até ao dia 31, e impedir o Reino Unido de sair da UE sem acordo.

Ler mais
Relacionadas

Boris Johnson forçado a adiar Brexit. E agora, que opções têm os britânicos?

Há 37 anos que o parlamento britânico não reunia ao fim de semana de forma extraordinária. O impasse está criado: nas ruas pede-se um novo referendo e a oposição rejeita a todo o custo as medidas de Johnson. Conheça os cenários criados pelo “Super Sábado”.

Brexit: Boris Johnson vai pedir ainda hoje um novo adiamento

O primeiro-ministro britânico assegurou hoje ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que vai fazer um novo pedido de adiamento do ´Brexit´, previsto para 31 de outubro, foi hoje divulgado.

Brexit: Centenas de milhares concentram-se em Londres contra saída da UE

Centenas de milhares de pessoas concentram-se este sábado junto ao parlamento britânico para exigir um segundo referendo sobre o Brexit, quando a Câmara dos Comuns impôs a aprovação de legislação que regulamente o acordo de saída.
Recomendadas

Partido do Brexit recua para favorecer conservadores nas eleições

Nigel Farage não vai apresentar candidatos às legislativas britânicas de 12 de dezembro em quase metade dos círculos. “O que vamos fazer é concentrar os nossos esforços”, afirma.

Startups brasileiras apostam na transformação de lixo e combate ao desperdício de água

A transformação de lixo e materiais em biocombustível e o combate ao desperdício de água e foram algumas das soluções apresentadas pela BNPetro e Piipee, que marcaram presença na cimeira tecnológica Web Summit, que se realizou na semana passada, em Lisboa.

Web Summit: participantes gastaram 64 milhões de euros nos quatro dias do evento, estima AHRESP

Foram registados “cerca de 64,4 milhões de euros de gastos dos visitantes nos quatro dias do evento”, apurou a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) no seu estudo sobre a estimativa do impacto da Web Summit ao nível dos gastos dos visitantes, da procura e do impacto nas atividades do alojamento turístico.
Comentários