Brexit: Theresa May apela ao voto no acordo negociado por Boris Johnson

A antiga primeira-ministra britânica Theresa May apelou hoje ao voto no acordo para o ‘Brexit’ negociado pelo sucessor, Boris Johnson, alegando que está em causa o interesse nacional.

“Hoje, todos os membros desta Câmara têm a responsabilidade de decidir se vão ou não colocar o interesse nacional em primeiro lugar. E não apenas uma questão ideológica ou um interesse de um partido político, mas também os interesses mais vastos dos nossos eleitores”, argumentou no parlamento.

O parlamento encontra-se reunido numa sessão extraordinária para debater e aprovar o acordo revisto para a saída do Reino Unido da União Europeia, cujas negociações foram concluídas na quinta-feira.

As principais alterações incidiram no protocolo relativo à Irlanda do Norte, removendo o mecanismo de salvaguarda para evitar uma fronteira física com a vizinha República da Irlanda designado por ‘backstop’.

O novo protocolo mantém a província britânica no território aduaneiro do Reino Unido, apesar de ficar alinhada com leis da UE que facilitam o movimento de mercadorias na ilha inteira.

Na Declaração Política que acompanha o acordo, e que contém orientações para as futuras relações entre o Reino Unido e UE, foram feitas alterações que substituem a ambição de criar uma “zona de comércio livre” por negociar um “acordo de comércio livre”.

Um Acordo de Saída da UE negociado por Theresa May foi chumbado três vezes, a última das quais por uma margem de 58 votos.

“Eu já disse isto muitas vezes. Espero que seja a última vez que tenho de o dizer. Se não querem uma saída sem acordo, precisam de votar num acordo. As empresas estão desesperadas por certeza, e as pessoas querem certeza em suas vidas”, vincou a antiga primeira-ministra, que mantém funções como deputada.

Ler mais
Recomendadas

Londres destrói um milhão de moedas comemorativas do Brexit

As moedas cunhadas para marcar o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, que estava agendado para 31 de outubro, estão a ser derretidas porque Boris Johnson falhou o prazo. O custo da produção e destruição das moedas será suportado pelos contribuintes britânicos.

Estado britânico distingue empresas que fazem a ligação entre Portugal e o Reino Unido

O Department for International Trade (DIT) vai pela 11ª vez galardoar as empresas britânicas que investiram em Portugal e as empresas portuguesas que investiram no Reino Unido.

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.
Comentários