Bruno Bobone: “É mais fácil uma empresa portuguesa ir buscar crédito a Espanha do que a Portugal”

A falta de financiamento é um problema que continua a afetar as empresas portuguesas porque os bancos não dão crédito a qualquer projeto que comporte riscos, refere o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, Bruno Bobone, em entrevista ao Jornal Económico.

Cristina Bernardo

O crédito às empresas ainda tem muitas limitações, e continua a não chegar a boa parte das que mais necessitam de financiamento para desenvolverem a sua atividade, alerta o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, Bruno Bobone, em entrevista ao Jornal Económico.

É inegável que o enquadramento financeiro português está mais confortável para as empresas. As taxas de juro evoluíram de forma favorável. O Outlook do rating da República melhorou…

Tudo em níveis abaixo do que era antes. O crédito está muito pior do que era antes. O rating está pior do que era antes. Continuamos mal: ainda não chegámos onde queremos. Fala-se em haver mais crédito. Mas eu desafio a encontrar qual foi a empresa que teve facilidade em obter crédito. O crédito tem sido dado à habitação, fundamentalmente. As empresas com boas situações financeiras terão facilidade em obter crédito, porque há liquidez. Mas a capacidade de risco dos bancos desapareceu completamente. Quem manda num banco, como no Governo, é o risco. E quando o risco manda num banco, o risco manda que não se empreste a quem tem risco. O banco passou a assumir que o papel de uma entidade financeira que faz atividade bancária é assumir risco zero. Ora, assumir risco zero é uma coisa impossível, não tem sentido nas empresas. Tem de haver alguma capacidade de gerir os bancos de uma maneira diferente. É mais fácil uma empresa portuguesa ir buscar crédito a Espanha do que a Portugal. Isso é uma péssima notícia.

As empresas internacionalizadas só se financiam no estrangeiro?

Só para as empresas que conseguem ir lá fora. A maioria das empresas portuguesas continuam a viver em Portugal. Nós não estamos a financiar a economia portuguesa minimamente porque não temos capacidade para que a banca portuguesa se disponibilize a emprestar dinheiro às empresas.

A capacidade de risco dos bancos desapareceu completamente. Quem manda num banco, como no Governo, é o risco. E quando o risco manda num banco, o risco manda que não se empreste a quem tem risco

O enquadramento do crédito pode ser alterado?

É fundamental que seja alterado. O regulador em Portugal, antes da crise, não atuou por medo de enfrentar as pessoas com quem tinha de conversar para tirá-las do lugar, ou para tomar decisões negativas relativamente ao trabalho que estavam a fazer. Hoje sobreatua porque tem medo que digam que ele não está a atuar e está a paralisar completamente a atividade financeira.

Está a referir-se ao governador do Banco de Portugal?

Estou a referir-me ao regulador. Não quero entrar numa questão pessoal. A verdade é que este regulador não tem funcionado, tem medo. Não sei se um outro que venha a ser nomeado mudará esta realidade.

E os bancos comerciais estarão em condições de passarem a essa fase seguinte?

Sem dúvida. E com vontade. Os bancos precisam de desenvolver esse trabalho. Até porque a sua rentabilidade aumentará se eles tiverem mais capacidade de intervir na economia. O que acontece é que com tanta regulação estão sempre inibidos. Além disso, para nomear uma administração perdem-se meses e meses à espera da opinião do regulador para saber se os nomes são aceites para a administração de um banco. Não é razoável. Não tem sentido nenhum. Isto é um disparate pegado. E não é a nomeação de uma pessoa que causa outro problema.

As PME normais têm sido excluídas da atribuição de crédito?

Têm tido muito maior dificuldade, sem dúvida nenhuma. A CCIP tem tido conhecimento das empresas que têm vindo a sofrer esta limitação. Também tem tido conhecimento da quantidade de empresas que faliram por falta de apoio, o que resulta de mais uma decisão do regulador e do Governo.

Ler mais
Relacionadas

Bruno Bobone: “O ministro das Finanças determina o caminho do país e não devia ser assim”

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, Bruno Bobone, em entrevista ao Jornal Económico, transmite a contestação do mundo empresarial em relação à hegemonia das Finanças, reivindicando maior protagonismo ao Ministério da Economia, que, segundo defende, deveria definir a estratégia económica para as empresas e para o país.

Bruno Bobone: “O BES devia ter sido nacionalizado temporariamente”

O modelo de resolução do Banco Espírito Santo foi um “erro” que custou muito caro à economia portuguesa, considera o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, Bruno Bobone, defendendo que teria sido preferível que o Estado tivesse nacionalizado o BES.
Recomendadas
Miguel Maya

CaixaBank espera lucros de 48 milhões do BCP apesar da provisões para créditos em francos suíços na Polónia

Apesar das provisões de 121 milhões por causa dos créditos hipotecários em francos suíços, o CaixaBank estima que o BCP apresente resultados líquidos no primeiro trimestre de 48 milhões de euros.

Galp distribui dividendo de 35 cêntimos a partir de 20 de maio

A Galp anuncia que aos acionistas que os dividendos se encontram a pagamento a partir do dia 20 de maio de 2021, com as ações a entrarem em ex-dividendo no dia 18. A “record date é a 19 de maio de 2021”, disse a empresa.

Holding da família Queiroz Pereira comprou mais 0,02% da Semapa

A Sodim, SGPS comunicou à Semapa – Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, “que hoje adquiriu em bolsa 1.816 acções, representativas de 0,002% do capital social da Semapa”.
Comentários