Bruxelas dá ‘luz verde’ à venda da Brisa a consórcio internacional

A DG Comp aprovou a venda da Brisa ao consórcio formado pelo holandeses APG, pelos coreanos NPS e pelos suíços da SLAM. Grupo José de Mello continua com uma posição de 17%.

A Direção-Geral da Concorrência europeia (DG Comp) aprovou a venda da Brisa ao consórcio formado pelos holandeses APG, pelos coreanos NPS e pelos suíços da SLAM.

“A Comissão Europeia aprovou, sob regulação de fusões da União Europeia, a aquisição do controlo conjunto da Brisa – Auto-Estrada de Portugal pela APG Asset Management, da Holanda, o fundo de pensões nacional da República da Coreia e a José de Mello – Investimentos SGPS, SA de Portugal”, refere Bruxelas, numa nota publicada esta segunda-feira.

O executivo comunitário explica que “concluiu que a aquisição proposta não levanta preocupações ao nível da concorrência dado o impacto limitado da transação na Área Económica Europeia”.

Em abril, o grupo José de Mello e o fundo Arcus chegaram a acordo para venda de 81,1% da Brisa a um consórcio internacional composto pela APG (gestora de ativos da ABP, o fundo de pensões dos  funcionários públicos e do setor da educação dos Países Baixos), o NPS (serviço nacional de pensões  da República da Coreia) e a SLAM (gestora de ativos da Swiss Life, a maior seguradora do ramo vida na Suíça).

O grupo José de Mello continuou como acionista de referência da Brisa, com uma posição de 17% e “participação ativa na gestão” da empresa.

A conclusão do acordo estava dependente da aprovação da DG Comp, que se tinha comprometido com uma conclusão do processo até ao final de setembro.

Ler mais
Recomendadas

Allianz compra 75% da Galp Gás Natural Distribuição por 368 milhões

A operação ficou fechada por 368milhões de euros. A Galp Gás Natural Distribuição detém nove empresas regionais de distribuição de gás natural em Portugal.

Estudo de impacto ambiental dá ‘luz verde’ ao projeto de modernização do terminal de contentores de Alcântara

Em entrevista ao Jornal Económico, Diogo Marecos, administrador da Liscont, concessionária do terminal detida pelo grupo turco Yilport, garante que a empresa está pronta para avançar com este projeto no primeiro trimestre de 2021, cujo investimento, de 120 milhões de euros, será da sua exclusiva responsabilidade.

Liscont prossegue trabalho no porto de Lisboa apesar de greve de estivadores se manter desde 19 de fevereiro

Diogo Marecos reconhece, em declarações ao Jornal Económico, que a atividade da empresa foi afetada pela greve e pela fuga de armadores internacionais do porto de Lisboa, uma situação que o Grupo Yilport está tentar ultrapassar.
Comentários