Bruxelas vai disponibilizar 100 milhões de euros para aquisição de testes rápidos para a Covid-19

Além deste reforço na testagem contra o vírus Sars-Cov-2, a presidente da Comissão Europeia anunciou ainda a aquisição conjunta de equipamento médico para vacinação e a extensão da suspensão temporária dos direitos aduaneiros e do IVA sobre a importação de equipamento médico de países terceiros.

DR AFP/Getty Images

Ursula von der Leyen anunciou esta quarta-feira que a Comissão Europeia (CE) vai disponibilizar 100 milhões de euros para a aquisição de testes rápidos para a Covid-19 que serão, posteriormente, distribuídos pelos 27 Estados-membros da União Europeia (UE).

O anúncio foi feito esta manhã durante uma conferência de imprensa para anunciar novas medidas de combate contra a pandemia e para alertar os países do bloco europeu que se preparem para a segunda vaga da Covid-19 e para a chegada de uma vacina, urgindo a necessidade de ser adotada uma estratégia coordenada e eficaz.

“Mais do que nunca, existe agora uma necessidade de cooperação, coordenação e solidariedade”, afirmou. “Recomendamos uma estratégia de vacinação eficaz e coordenada e pedimos [aos Estados-Membros] que aumentem a capacidade de testagem. A chegada dos testes rápidos pode facilitar este processo mas pedimos que adotem uma abordagem europeia para aprovação e uso”.

Assim, ao abrigo do fundo de apoio da UE contra a Covid-19, a Comissão Europeia vai avançar com a compra de testes rápidos no valor de 100 milhões de euros.

“Da nossa parte vamos mobilizar 100 milhões de euros do Instrumento de Apoio de Emergência para comprar testes rápidos que vão ser distribuídos pelos Estados-Membros”, anunciou.

Além deste reforço na testagem contra o vírus Sars-Cov-2, a presidente da Comissão Europeia anunciou ainda a aquisição conjunta de equipamento médico para vacinação e a extensão da suspensão temporária dos direitos aduaneiros e do IVA sobre a importação de equipamento médico de países terceiros.

Ursula von der Leyen anunciou ainda que vai ser proposto que os hospitais e os médicos fiquem isentos de pagar IVA sobre as vacinas e kits de teste utilizados na luta contra o coronavírus.

“Pedimos aos Estados-membros que preparem planos de vacinação nacionais e que os reavaliem a nível europeu. Devemos estar preparados para a chegada da vacinação a todos os níveis”, apelou.

Ler mais
Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários