“Building the Future”: Como a IA vai impulsionar os negócios

Responsáveis da Microsoft, EDP, Novartis, Administração Interna e SPMS explicam como a Inteligência Artificial irá mudar a forma de fazer negócios.

“A Inteligência Artificial tem de ter uma estratégia para os dados”. Quem o diz é Fabio Moioli, diretor Microsoft no debate “How AI Empowers Business” – no âmbito do evento “Building The Future”, o maior evento de transformação digital em Portugal, promovido pela Microsoft, e que decorre hoje no pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. “A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo”, acrescentou o responsável.

Já José Ferrari Careto, Digital Officer da EDP, explicou que o digital tanto pode ser um onda grande que “impulsiona” mas que é preciso saber “surfar”. “Tem de entrar no processo produtivo das empresas. O digital é um dos pilares da nossa organização”, disse. Para Cristina Campos, diretora-geral da Novartis em Portugal, a Inteligência Artificial é uma “onda cheia de oportunidades” e que vai “revolucionar a forma como se trabalha e melhorar a vida das pessoas”.

Francisco Gomes, do Ministério da Administração Interna, sublinhou que “pessoas, processos e plataformas” têm de estar alinhados. “Hoje em dia na Administração Interna temos muitos dados e tudo isto tem de ser transformado em conhecimento. Assim vai ser possível ter uma reação rápida para responder aos diversos tipos de problemas”. Por outro lado, Henrique Martins, presidente do conselho de administração da SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, a tecnologia é fundamental para o setor da Saúde, desde que seja bem usada. “Na Medicina não gostamos de experimentar no vazio, só podemos usar tecnologia solidamente testada”.

O “Building The Future”, que irá decorrer entre hoje e amanhã, cruza tecnologia, transformação e liderança para potenciar pessoas e empresas e preparar o país para a transformação digital.

Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários