Cabo Verde com queda de 4% no PIB em 2020, estima FMI

O Fundo Monetário Internacional prevê que a dívida pública cabo-verdiana aumente para 132,5% este ano.

Bogdan Cristel/Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que Cabo Verde tenha um crescimento económico negativo de 4% este ano, acelerando para 5,5% em 2021, com a dívida pública a aumentar para 132,5% este ano.

“Os países de recursos não intensivos devem ver o crescimento abrandar de 6,2% para 2%, e dentro deste grupo, os países dependentes do turismo, como Cabo Verde, São Tomé e Príncipe ou as Ilhas Seicheles, deverão passar por uma quebra severa, com o PIB a contrair-se 5,1% depois de ter crescido, em média, 3,9% em 2019”, diz o fundo.

“A África subsaariana está a enfrentar uma crise económica e sanitária sem precedentes, lê-se no relatório sobre as Perspetivas Económicas Regionais da África subsaariana, este ano inteiramente dedicado aos efeitos da covid-19 no continente.

“O crescimento nos países exportadores de petróleos deve cair de 1,8% em 2019 para -2,8% este ano, o que revela uma queda de 5,3 pontos percentuais face ao relatório de outubro”, lê-se no documento, que aponta que o maior exportador da região, a Nigéria, deverá ver a sua economia cair 3,4% devido à queda do preço do petróleo e aos efeitos das medidas de isolamento social.

A crise “ameaça afastar a região do seu caminho, revertendo os progressos encorajadores no desenvolvimento dos anos recentes”, diz o FMI, alertando também que “ao ceifar um número pesado de vítimas, prejudicando a subsistência, e afetando os negócios e as contas públicas, a crise ameaça também abrandar as perspetivas de crescimento da região nos próximos anos”.

Num quadro de incerteza ainda maior que o habitual, o FMI antecipa que a África subsaariana tenha um crescimento negativo de 1,6%, o maior de que há registo e 5,2 pontos percentuais abaixo das previsões de outubro, e prevê que em 2021 o continente volte ao crescimento, vendo o PIB expandir-se, em média, 4,1%.

Para o Fundo, a previsão de recessão para África subsaariana explica-se por três grandes fatores: as medidas de contenção, que prejudicam a atividade económica, os efeitos do abrandamento da economia global, também ela em recessão este ano, e a “forte queda do preço das matérias-primas, especialmente o petróleo, que magnifica os desafios em algumas das maiores economias dependentes de recursos, nomeadamente Angola e a Nigéria”.

Estes choques, explica o departamento africano do Fundo, “vão interagir com as vulnerabilidades atuais, exacerbando as condições económicas e sociais de cada país”.

Reconhecendo que “as medidas que os países tiveram de tomar para garantir o distanciamento social e impedir as pessoas de circular vão de certeza colocar em perigos a subsistência de inúmeras pessoas vulneráveis”, que por causa das limitadas proteções sociais que existem para compensar a perda de rendimentos, “vão sofrer”.

Para o setor público de muitos países, esta crise, conclui o FMI, “não podia ter vindo em pior altura”.

Ler mais
Relacionadas

FMI elogia desempenho macroeconómico de Cabo Verde e espera novo crescimento em 2021

O Fundo Monetário Internacional afirma que o desempenho do arquipélago africano no âmbito do PCI – o instrumento para o apoiar nas reformas que tem em curso – tem sido “forte”. “Todas as metas de reforma foram cumpridas, com algumas medidas implementadas antes do previsto”, apontam os técnicos do fundo.

Governo de Cabo Verde desvaloriza elogios do FMI: “O Orçamento de Estado pifou” 

“Era tudo indicadores bons e que agora estão todos em causa. Portanto, o quadro mudou de forma radical”, disse o vice-primeiro-ministro cabo-verdiano.
Recomendadas

Mortos em África sobem para 3.183 em mais de 103 mil infetados

O norte de África é a região mais afetada pela doença no continente, com 1.541 mortos e 32.329 infetados pelo novo coronavírus.

Número de navios nos portos de Cabo Verde caiu para metade em abril

Com a declaração do estado de emergência em Cabo Verde, que entrou em vigor em 29 de março e que se prolongou por praticamente todo o mês de abril, as ligações aéreas e marítimas entre as nove ilhas habitadas do arquipélago foram suspensas.

Emprofac já colocou no mercado 64 mil máscaras ‘made in’ Cabo Verde

“Neste momento, aquelas que nós recebemos, 64 mil máscaras comunitárias, já entregámos tudo, entre farmácias e serviços públicos”, garantiu Fernando Gil Évora, presidente do conselho de administração da empresa.
Comentários