Cabo Verde: PAICV desafia autarquia de São Filipe a apresentar orçamento retificativo

O partido da oposição quer dinamizar economia do município cabo-verdiano, pertencente à ilha do Fogo.

A Comissão Política Regional do PAICV, na ilha do Fogo, instou esta terça-feira a Câmara Municipal de São Filipe a apresentar um orçamento retificativo com medidas concretas para dinamizar a economia e mitigar as dificuldades e o sofrimento da população do município.

Em conferência de imprensa, o membro da Comissão Política Regional (CRP) do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (oposição), Luís Nunes, denunciou a “insensibilidade da atual maioria que governa o município” e garantiu que os vereadores e eleitos municipais do seu partido estão disponíveis para darem a sua contribuição na elaboração e aprovação de um orçamento retificativo e de medidas para minorar o sofrimento da população.

No quadro do orçamento retificativo o PAICV propõe que as verbas anteriormente destinadas às festas municipais, festivais e outras atividades culturais que foram canceladas sejam canalizadas para projetos sociais e de apoio à promoção da atividade económica, proporcionando melhores rendimentos à população.

De entre as medidas que devem constar do orçamento retificativo, a CPR do PAICV destacou o apoio aos agricultores e agentes do mundo rural no período de campanha agrícola com distribuição de sementes e equipamentos necessários, assim como subsidiar e reforçar o fornecimento de água aos agricultores e criadores de gado.

Reforçar o programa de salvamento de gado e combate aos cães vadios, indemnizar todos os criadores que perderam gado devido à ação de cães vadios, reabilitar os equipamentos sociais e desportivos, reforçar o programa de reabilitação das habitações sociais, retoma do projeto de abastecimento de água à zona norte alta até Campanas de Cima, constam da lista de medidas que a CRP defende no quadro do orçamento retificativo.

O PAICV denunciou ainda a “forma arbitrária e injusta” como a câmara e o seu presidente têm gerido a questão da extração e distribuição de areia, fazendo ‘stock’ no espaço cultural, naquilo que Luís Nunes considerou de “total desprezo pelos espaços culturais”, para além da concorrência desleal que a autarquia vem fazendo aos camionistas e empreiteiros.

“Com esta ação, pretende a câmara e o seu presidente distribuir materiais de construção em vésperas de eleições numa tentativa desesperada de compra de votos, uma vez que a sua prestação nestes quatro anos tem merecido uma avaliação negativa”, referiu Luís Nunes, indicando que só o desespero de uma prestação negativa pode justificar tamanha “afronta à dignidade dos são-filipenses”.

Segundo a mesma fonte, o MpD já iniciou ações no terreno com destacados dirigentes a fazer a distribuição de materiais de construção civil, razão pela qual exortou a Comissão Nacional das Eleições (CNE) e a Procuradoria da República de São Filipe a agirem em conformidade com o que classificou de ilícito eleitoral. Nunes indicou que a distribuição de materiais de construção civil não é a forma mais correta de conquistar a simpatia e votos dos eleitores, o que deve ser feito com trabalho. “Esta prática deve ser sempre denunciada independentemente de quem for o seu autor”, assumiu.

Ler mais
Recomendadas

Lucros do BAI Cabo Verde subiram 24% para 1,1 milhões de euros em 2019

Apesar deste resultado, a instituição não vai distribuir dividendos aos acionistas, desde logo cumprindo uma determinação do banco central cabo-verdiano, para constituição de reservas devido à crise economia e financeira provocada pela pandemia.

Cabo Verde com défice orçamental de 0,7% até abril

A proposta de Orçamento Retificativo do país para 2020, que deverá ser submetido a apreciação e votação no parlamento na segunda semana de julho, ascende a 75.084.978.510 escudos (679,1 milhões de euros), entre despesas e receitas.

Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto da parceiros internacionais

“Embaixadores, representantes das organizações internacionais, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento”, diz o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros.
Comentários