Carlos Moedas faz primeira reunião com a Iniciativa Liberal para tentar formar coligação

“Existência de razões que pudessem levar o partido a considerar uma exceção à estratégica de apresentar candidaturas próprias” está a ser ponderada pela Iniciativa Liberal, que se apresenta pela primeira vez a eleições autárquicas. PSD, CDS e Iniciativa Liberal tiveram mais votos do que o PS em Lisboa nas legislativas de 2019,

O ex-comissário europeu Carlos Moedas, que será o candidato do PSD à Câmara de Lisboa, teve hoje a sua primeira reunião com João Cotrim Figueiredo, presidente da Iniciativa Liberal, com vista a um entendimento entre os dois partidos para a apresentação de listas conjuntas na capital, integrando também o CDS, nas eleições autárquicas que serão disputadas entre o final de setembro e o início de outubro.

A reunião foi descrita pela Iniciativa Liberal como “uma conversa em que se trocaram pontos de vista”, sendo analisada a “existência de razões que pudessem levar o partido a considerar uma exceção à estratégica de apresentar candidaturas próprias”. Algo que é considerado particularmente importante por serem as primeiras eleições autárquicas a que se apresenta, depois de ter conseguido eleger um deputado para a Assembleia da República e para a Assembleia Legislativa Regional dos Açores, falhando esse objetivo no que toca ao Parlamento Europeu e à Assembleia Legislativa Regional da Madeira.

Da reunião saiu a disponibilidade de novos contactos que permitam chegar a uma decisão sobre a disponibilidade de integrar uma coligação na capital, a qual terá de ser aprovada pelos órgãos próprios do partido. Ao que o Jornal Económico não foram discutidos pormenores sobre a constituição das listas, nomeadamente o peso relativo dos vários partidos que poderão compor a coligação, admitindo que também o Aliança possa integrá-la, ao contrário do Chega.

Nas autárquicas de 2017, Fernando Medina foi eleito presidente da Câmara de Lisboa – cargo que ocupava desde que António Costa, vencedor em 2013, saiu para liderar o PS e mais tarde o Governo -, após liderar a lista socialista que obteve 42% dos votos, elegendo oito dos 17 vereadores da capital. A lista mais votada entre a oposição de centro-direita foi a do CDS, encabeçada pela então líder centrista Assunção Cristas, com 20,59%, o que permitiu eleger quatro vereadores, enquanto o PSD, com Teresa Leal Coelho, se quedou por 11,22% e elegeu apenas dois vereadores. Também representados no executivo camarário ficaram a CDU, com dois vereadores, e o Bloco de Esquerda, que primeiro com Ricardo Robles e depois com Manuel Grilo tem garantido maioria ao autarca socialista.

Nas autárquicas de 2019, ato eleitoral mais recente disputado por partidos no concelho lisboeta, o PS obteve 33,27% dos votos, enquanto o PSD teve 25,45%, o CDS 5,85% e a Iniciativa Liberal 4,08%. A soma desses três partidos superou a percentagem dos socialistas, chegando aos 35,38%, o que alimenta esperanças entre o centro-direita de que a capital possa deixar de ser governada pelos socialistas, o que acontece de forma ininterrupta desde 2007.

Relacionadas

Carlos Moedas é candidato à Câmara de Lisboa pelo PSD. “Candidatura forte”, diz Rui Rio

O ex-comissário europeu encontra-se reunido na sede nacional do partido com o líder Rui Rio, José Silvano, coordenador autárquico e Nuno Morais Sarmento vice-presidente do PSD.

IL diz que apoio a Carlos Moedas tem de ser feito com ponderação: “Não é nesta primeira conversa que tudo será falado”

A conversa com Carlos Moedas está agendada para o início da próxima semana. As taxas municipais vão ser decisivas quanto ao apoio dos liberais ao candidato à Câmara de Lisboa. “Não estejam à espera da Iniciativa Liberal para manter um volume de taxas e impostos municipais que não fazem sentido”, aponta o partido.

Autárquicas: CDS-PP diz que Carlos Moedas é “um nome forte” para lidar “coligação de centro-direita” em Lisboa

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, acredita que o ex-comissário europeu é “capaz de libertar os lisboetas do socialismo e oferecer à cidade uma mudança para o futuro”, impedindo uma nova vitória do PS nas eleições deste ano.
Recomendadas

Ana Gomes avisa que António Costa poderá rumar a Bruxelas em 2022

A socialista acredita que o primeiro-ministro poderá assumir o cargo de presidente do Conselho Europeu, atualmente ocupado pelo belga Charles Michel. Eventual saída de Costa teria lugar um ano antes do final da atual legislatura, que termina em 2023.

Sindicatos da Função Pública reúnem-se hoje com Governo para rever sistema de avaliação

Esta segunda ronda negocial sobre o sistema de avaliação realiza-se dez dias antes da greve marcada para dia 20 pela Frente Comum, em defesa do aumento dos salários, da revisão das carreiras e da tabela remuneratória e da revogação do SIADAP.

“Vamos fazer um investimento superior a 12 milhões de euros”, garante autarca de Lamego (com áudio)

Ângelo Moura, presidente da Câmara de Lamego, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, fala do forte investimento na mobilidade sustentável, reabilitação urbana e intervenção comunitária, apesar das dificuldades impostas pela pandemia.
Comentários