Catarina Martins com relógio de luxo e outras ‘fake news’ sobre Portugal espalham-se em sites criados no Canadá

O “Diário de Notícias” descobriu que o responsável pelos sites de ‘fake news’ é um industrial de têxteis do Norte apoiante de Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Vários websites com notícias falsas (“fake news”) sobre a política portuguesa estão a espalhar e a tornar virais conteúdos inventados no Canadá – e pelo mundo, através das partilhas nas redes sociais.

O “Diário de Notícias” (DN), na sua edição semanal publicada este domingo, revela que descobriu a identidade do responsável por divulgar estas imagens ou textos falsos, como por exemplo uma ‘fotografia’ da líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, com um suposto “relógio de luxo suíço com o valor de 20,9 milhões de euros” – ‘informação’ que o partido já garantiu ser falsa.

Segundo o DN, o autor destas fake news é um industrial de têxteis do Norte apoiante de Donald Trump e Jair Bolsonaro:  João Pedro Rosas Fernandes. Todos os sites portugueses estão sediados no Canadá, partilham o mesmo IP e têm por trás a empresa de Santo Tirso Forsaken.

João Fernandes será dono de websites como “Direita Política”, “A Voz da Razão”, “Não Queremos Um Governo de Esquerda em Portugal”, “Vídeo Divertido” e “Aceleras”. Ao semanário, o ainda sócio de duas indústrias têxteis admitiu estar “descontente com a falta de contraditório que existia na comunicação social”.

“É comum sempre que divulgamos alguma notícia sobre alguma figura pública que está envolvida em corrupção aparecerem algumas pessoas nas redes sociais a tentar desmentir os factos, dizendo que são fake news. Fazem o mesmo em todos os jornais online”, disse.

Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários