CESE: Decisão do Tribunal Constitucional não pode ser aplicada depois de 2014, diz REN

A REN considera que, em comunicado divulgado esta quinta-feira, “a decisão agora comunicada pelo Tribunal Constitucional não pode ser extrapolada para a CESE dos anos posteriores a 2014,

A REN – Redes Energéticas Nacionais reagiu à decisão do Tribunal Constitucional (TC), que se pronunciou pela constitucionalidade do pagamento da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Ernergético (CESE), criada em 2014, porque a empresa de transporte de energia elétrica argumenta que o TC limitou o objeto do recurso a esse ano.

“O Tribunal Constitucional limitou o objeto do recurso a 2014 e não se pronunciou pela constitucionalidade das normas que regulam a CESE nos anos seguintes, isto é, de 2015 a 2019”, lê-se na nota.

Instituída em 2014, a CESE tem sido alvo de processos judiciais intentados pelas energéticas portuguesas. A REN foi uma das primeiras empresas deste setor a intentar uma ação contra o Estado, através da subsidiária REN Armazenagem com o argumento de que esta taxa violava seis artigos da Constituição da República Portuguesa, nomeadamente “da igualdade, da tributação das empresas pelo lucro real, da proporcionalidade, da livre iniciativa, da propriedade privada e da não consignação”, como consta do acórdão do TC.

O TC pronunciou-se pela constitucionalidade da CESE porque a classifica como uma contribuição financeira e não como um imposto. Regra geral, o imposto é tratado como tal porque as receitas estão afetas a fazer face a interesses difusos da sociedade.

De resto, “a REN Armazenagem, tal como as outras sociedades do Grupo REN, procedeu ao pagamento da CESE dos vários anos em causa, não tendo qualquer valor em dívida à Autoridade Tributária”.

Relacionadas

EDP aceita pagar contribuição extraordinária de energia

Energética terá aceite pagar a Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE), que deixou de pagar desde 2017.

Tarifas da luz vão baixar 3,5% a partir de janeiro para as famílias

Em média, esta redução representa para as famílias portuguesas que estão em mercado regulado uma poupança média de 1,5 euros por mês.

PremiumEmpresas de energias renováveis ameaçam levar Estado a tribunal devido à CESE

Associação das Energias Renováveis diz que empresas vão avaliar se levam o Estado a tribunal devido ao fim da isenção do imposto que recai sobre setor.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários