Chega!, Iniciativa Liberal e Livre sem tempo no debate quinzenal de quarta-feira

Os partidos Chega!, Iniciativa Liberal e Livre, todos com deputados únicos, ficaram hoje sem tempo de intervenção no próximo debate quinzenal com o primeiro-ministro, mas a situação vai ser analisada “com urgência” na 1.ª comissão parlamentar.

Segundo a secretária da Mesa da Assembleia da República Maria da Luz Rosinha, do PS, o relatório do grupo de trabalho liderado pelo vice-presidente do parlamento José Manuel Pureza, do BE, previa o estrito cumprimento do atual Regimento que só contempla tempos de intervenção para grupos parlamentares, assim como a sua participação na conferência de líderes, órgão onde se decidem os agendamentos e outras questões de funcionamento da Assembleia da República.

PS, BE, PCP e PEV foram favoráveis a esta posição, enquanto PSD, CDS-PP e PAN defenderam que devia ser adotada a exceção que foi atribuída, na legislatura anterior, ao então deputado único do PAN, André Silva.

O presidente da República, Ferro Rodrigues, “não partilha das conclusões do relatório”, revelou Rosinha, e pediu “urgência” à comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias na análise do pedido de revisão do Regimento por parte da Iniciativa Liberal, de forma a possibilitar a alteraração das regras que vigoram para os debates parlamentares.

No próximo debate quinzenal com o primeiro-ministro, marcado para quarta-feira, Chega!, Iniciativa Liberal e Livre não terão assim intervenções a menos que a 1.ª comissão decida algo em contrário.

A conferência de líderes, cuja próxima reunião ficou marcada para 21 de novembro, decidiu ainda realizar em 22 de novembro as eleições para o Conselho de Estado, outros órgãos e representações internacionais da Assembleia da República.

Recomendadas

Eleições Guiné-Bissau: CNE confirma vitória de Embaló

A CNE rejeitou as reclamações apresentadas pelo representante da candidatura de Domingos Simões Pereira.

Brexit: Barnier pronto a começar negociações mas alerta que “não as concluirá a qualquer preço”

O negociador-chefe da União Europeia espera um bom arranque das negociações, até porque, sublinhou, “há muito pouco tempo pela frente”, dado um acordo abrangente ter de ficar ‘fechado’ até ao final do ano, altura em que termina o chamado período de transição do ‘Brexit’.

Bruxelas pede a Portugal e mais 21 países para acabar com captura acidental de golfinhos

O comissário Europeu Virginijus Sinkevičius afirmou que, em toda a UE, “os níveis de capturas acidentais são inaceitáveis”, podendo levar à “extinção de populações locais de espécies protegidas”.
Comentários