Chega!, Iniciativa Liberal e Livre sem tempo no debate quinzenal de quarta-feira

Os partidos Chega!, Iniciativa Liberal e Livre, todos com deputados únicos, ficaram hoje sem tempo de intervenção no próximo debate quinzenal com o primeiro-ministro, mas a situação vai ser analisada “com urgência” na 1.ª comissão parlamentar.

Segundo a secretária da Mesa da Assembleia da República Maria da Luz Rosinha, do PS, o relatório do grupo de trabalho liderado pelo vice-presidente do parlamento José Manuel Pureza, do BE, previa o estrito cumprimento do atual Regimento que só contempla tempos de intervenção para grupos parlamentares, assim como a sua participação na conferência de líderes, órgão onde se decidem os agendamentos e outras questões de funcionamento da Assembleia da República.

PS, BE, PCP e PEV foram favoráveis a esta posição, enquanto PSD, CDS-PP e PAN defenderam que devia ser adotada a exceção que foi atribuída, na legislatura anterior, ao então deputado único do PAN, André Silva.

O presidente da República, Ferro Rodrigues, “não partilha das conclusões do relatório”, revelou Rosinha, e pediu “urgência” à comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias na análise do pedido de revisão do Regimento por parte da Iniciativa Liberal, de forma a possibilitar a alteraração das regras que vigoram para os debates parlamentares.

No próximo debate quinzenal com o primeiro-ministro, marcado para quarta-feira, Chega!, Iniciativa Liberal e Livre não terão assim intervenções a menos que a 1.ª comissão decida algo em contrário.

A conferência de líderes, cuja próxima reunião ficou marcada para 21 de novembro, decidiu ainda realizar em 22 de novembro as eleições para o Conselho de Estado, outros órgãos e representações internacionais da Assembleia da República.

Recomendadas

Parlamento chumba valorizações salariais dos docentes do Ensino Superior

As quatro iniciativas legislativas, que abriam a porta à progressão na carreira de quase 10 mil docentes, contaram com o votos contra do PS e a abstenção do PSD, CDS-PP e Chega.

Parlamento rejeita votos de condenação do PCP e BE pelo “golpe de Estado” na Bolívia

Os dois votos foram chumbados com os votos contra do PSD, CDS-PP, IL e Chega. Já o CDS-PP apresentou um voto de condenação e preocupação pela situação em que se encontra a população boliviana, que foi também rejeitado com os votos contra do PCP, BE, PEV, PAN e Livre.

Esquerda chumba voto de congratulação pela equiparação dos crimes do fascismo aos do comunismo

O voto de congratulação apresentado pelo Iniciativa Liberal (IL) pela aprovação, no Parlamento Europeu, de uma resolução que condena de igual forma os regimes totalitários do fascismo e comunismo contou com um parecer favorável do PSD, CDS-PP, Chega e IL e a abstenção de PAN. Já o BE, PCP, PS e PEV votaram contra.
Comentários