China 2021-2025

É surpreendente o pouco destaque que os Planos Quinquenais da China têm merecido. Analisá-los permite conhecer, com pouca margem de erro, quais os objetivos estratégicos de um regime ainda muito opaco.

É surpreendente o pouco destaque que os Planos Quinquenais da China merecem por parte da imprensa internacional e da generalidade dos analistas. Sendo verdade que já existem desde 1953 e que durante muito tempo não tiveram muita relevância para a economia mundial, nas últimas décadas a situação é bem diferente.

Isto porque, neste século, os Planos têm sido um mapa para a transformação da economia de um estilo soviético para uma “economia socialista de mercado” e observa-se um forte comprometimento em cumprir os seus objetivos. Analisar os Planos Quinquenais permite conhecer, com pouca margem de erro, quais os objetivos estratégicos da China.

O 14º Plano Quinquenal (2021-2025) dá enfase à autossuficiência em tecnologia – um pilar estratégico nacional. A China quer passar a ser o líder mundial da inovação, para que em 2035 seja responsável pelas maiores descobertas em tecnologias chave, e não quer depender de terceiros na fabricação de chips.

O objetivo de um desenvolvimento compatível com o ambiente é também mencionado. Líder desde 2004 nas emissões de carbono, a China pretende poluir menos no futuro e reconstruir áreas que tenham sido degradadas, o que é uma novidade. Tal como pretende continuar a aumentar o rendimento per capita para se chegar ao nível de países moderadamente desenvolvidos. Há também referências importantes à melhoria dos meios defesa nacional, à reintegração de Taiwan e à manutenção do statu quo em Hong Kong e Macau.

Haverá outros pontos a estudar neste 14º Plano e a forma como o país tem seguido os anteriores torna obrigatória a sua leitura por quem pretenda antecipar os movimentos estratégicos de um regime ainda muito opaco.

Recomendadas

Wall Street abre em queda com resultados dos bancos

No ano de 2020, o JP Morgan Chase, o maior grupo bancário dos Estados Unidos, obteve um lucro líquido de 29.131 milhões de dólares, menos 20% que em 2019. Em termos anuais, o grupo bancário americano Citigroup obteve em 2020 um lucro líquido de 11,370 milhões de dólares, 41% menos do que no ano anterior. O lucro líquido da Wells Fargo em 2020 caiu 83,1%, para 3.301 milhões de dólares.

Venda de ações reforça noção que a CTG vê a EDP como investimento financeiro, diz o BPI

A estatal chinesa lançou uma OPA sobre a totalidade da EDP em maio de 2018, mas desistiu após a alteração dos estatutos para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbada. Desde essa altura, vendeu 1,8% em fevereiro de 2020, mas reforçou no aumento de capital em agosto.

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”
Comentários