China: banco central quer promover internacionalização do yuan

O Banco Popular da China reforça a ideia de reforçar o papel internacional da sua moeda, uma estratégia que surge numa altura de crescentes tensões com os EUA.

A China quer facilitar o investimento em ações e obrigações domésticas com recurso à sua moeda, o yuan, como resposta ao aprofundar das tensões políticas e económicas com os Estados Unidos. Pequim deseja uma maior internacionalização da sua divisa, afastando-se da dependência do dólar.

O Banco Popular da China, o banco central do gigante asiático, diz-se motivado a “continuar a promover continuamente a internacionalização do yuan para servir a economia real”, lê-se no relatório de 2020 de internacionalização da moeda. O documento refere ainda um crescimento de 24,1% nas liquidações transfronteiriças em yuans em 2019 quando comparando com o ano anterior.

As liquidações transfronteiriças na moeda chinesa cresceram também em termos de trocas internacionais, com mais 16% em 2019 do que em 2018. Tal valor significa 13,4% do total do volume deste indicador em termos globais.

A China pretende assim facilitar o investimento nos seus títulos em yuans, tendo também anunciado a criação de mercados offshore da divisa, reporta a Reuters. O banco central chinês diz também que o país pretende ter mais controlo sobre o preço de várias commodities, tal como o crude e o minério de ferro.

Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários