China: banco central quer promover internacionalização do yuan

O Banco Popular da China reforça a ideia de reforçar o papel internacional da sua moeda, uma estratégia que surge numa altura de crescentes tensões com os EUA.

A China quer facilitar o investimento em ações e obrigações domésticas com recurso à sua moeda, o yuan, como resposta ao aprofundar das tensões políticas e económicas com os Estados Unidos. Pequim deseja uma maior internacionalização da sua divisa, afastando-se da dependência do dólar.

O Banco Popular da China, o banco central do gigante asiático, diz-se motivado a “continuar a promover continuamente a internacionalização do yuan para servir a economia real”, lê-se no relatório de 2020 de internacionalização da moeda. O documento refere ainda um crescimento de 24,1% nas liquidações transfronteiriças em yuans em 2019 quando comparando com o ano anterior.

As liquidações transfronteiriças na moeda chinesa cresceram também em termos de trocas internacionais, com mais 16% em 2019 do que em 2018. Tal valor significa 13,4% do total do volume deste indicador em termos globais.

A China pretende assim facilitar o investimento nos seus títulos em yuans, tendo também anunciado a criação de mercados offshore da divisa, reporta a Reuters. O banco central chinês diz também que o país pretende ter mais controlo sobre o preço de várias commodities, tal como o crude e o minério de ferro.

Recomendadas

Mais de mil famílias aguardam ainda resposta do IHRU sob apoios às rendas, reconhece secretária de Estado

A baixa adesão a estas medidas de apoio é justificada com a tentativa dos inquilinos de, face a algum rendimento disponível, honrarem os seus compromissos junto dos senhorios, segundo a secretária de Estado. Outras políticas como o Programa de Rendas Acessíveis também não têm tido o impacto desejado, reconhece.
Senado dos Estados Unidos

EUA: Senado aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

O voto duramente partidário resultou na aprovação, após longas negociações, de um novo pacote de estímulos à economia mais afetada no mundo pela Covid-19 que coloca a resposta pandémica em 4,95 biliões de euros até agora.

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.
Comentários