China fecha fronteiras a estrangeiros este sábado

A exceção é para quem viaja em serviço diplomático ou oficial ou para portadores de visto “C”.

A China vai restringir as entradas no país daqui dois dias devido aos receios de propagação do novo coronavírus. A entrada de estrangeiros não será permitida a partir do próximo sábado, dia 28 de março, mesmo que o cidadão/cidadã tenha um visto ou autorização de residência válidos.

A informação foi transmitida pelo Ministério das Relações Exteriores e a Administração Nacional de Imigração chinês, em comunicado divulgado pelas agências noticiosas “Bloomberg” e “Reuters”. Pequim defende que precisa de tomar medidas “necessárias e temporárias” para responder aos novos casos da doença Covid-19 identificados.

A exceção é para quem viaja em serviço diplomático ou oficial ou para portadores de visto “C”. Segundo as autoridades chinesas, serão realizados ajustes de acordo com o evolução da situação.

A China, onde surgiram os primeiros casos da Covid-19 em dezembro de 2019, foi muito impactada pela doença, com mais de 81 mil pessoas infestadas e cerca de 3.300 mortos, de acordo com os dados oficiais. A segunda maior economia do mundo viu-se praticamente paralisada em fevereiro devido às medidas tomadas para travar a propagação do vírus.

Progressivamente, a atividade económica foi retomada em março, na sequência de se ter verificado um abrandamento dos contágios no país, mas continua a enfrentar restrições aprovadas pelos Estados Unidos da América pela Europa.

O contexto político-económico levou a que o presidente Xi Jinping apelasse hoje a todos os membros do G20 que tomassem medidas “coletivas, a enviarem um sinal forte e a restabelecerem a confiança para favorecer a retoma económica mundial”.

Ler mais
Recomendadas

PAN aponta quatro “medidas inteligentes e coerentes” para reduzir contágio de Covid-19

Limitação da lotação e reforço da oferta dos transportes públicos, obrigatoriedade do teletrabalho, restrições nos horários do comércio e aulas em casa a partir do terceiro ciclo de escolaridade foram apontados por André Silva como formas de reduzir a progressão da Covid-19.

“Primeira Pessoa”. “Fundos europeus? Quem come a semente não chega ao fruto”

Cinco anos depois de ter conseguido mais de 150 mil votos, Vitorino Silva volta a candidatar-se à Presidência da República. Em entrevista ao programa “Primeira Pessoa”, da plataforma multimédia JE TV, o candidato deu a sua visão de como devem ser encarados os fundos europeus.

Catarina Martins ouve de António Costa que “ainda não chegámos ao ponto” da requisição civil da saúde privada

Coordenadora do Bloco de Esquerda disse que as camas disponibilizadas pelos hospitais privados são “uma gota de água no meio de um tsunami” e voltou a exigiri que toda a capacidade instalada de saúde em Portugal fique “sob a alçada e articulação” do Serviço Nacional de Saúde.
Comentários