CMVM quer continuar a trabalhar em conjunto com outros reguladores em benefício das ‘startups’

A Comissão do Mercado e dos Valores Mobiliários (CMVM) quer continuar a apoiar as FinTechs, dando-lhes apoio sobre o contexto regulatório para que possam inovar dentro das normas legais. Para a próxima edição do Portugal FinLab, João Gião, vogal da administração da CMVM, quer fazer “idealmente melhor” do que a primeira.

Cristina Bernardo

A CMVM pretende continuar a trabalhar com outros reguladores em prol da inovação e do desenvolvimento do ecossistema das startups em Portugal.

Na apresentação dos resultados da primeira edição do Portugal FinLab, uma plataforma de comunicação que junta a CMVM, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, o Banco de Portugal e a Portugal FinTech, com o objetivo de dar apoio regulatório aos projetos apresentados por FinTech em Portugal, João Gião, vogal do conselho de administração da CMVM deu uma certeza: “vamos continuar a trabalhar juntos”.

Ao Jornal Económico, Helder Rosalino, administrador do Banco de Portugal, revelou que os reguladores têm intenções de apresentar publicamente a próxima edição do Portugal FinLab entre setembro e outubro deste ano.

Sobre a próxima edição, na linha de Gabriela Figueiredo Dias, presidente da CMVM, João Gião referiu que os reguladores e a Portugal FinTech vão “tentar construir algo que seja pelo menos tão bom quanto a primeira edição”. “Idealmente melhor”, reforçou.

Os resultados da primeira edição do Portugal FinLab surpreenderam todos os intervenientes, não só porque conseguiram cumprir com os objetivos que tinham sido definidos – selecionar e ajudar dez projetos apresentados pelas FinTechs -, mas também porque receberam 40 candidaturas, superando as expectativas.

Para João Gião, este canal único de comunicação entre os reguladores e os inovadores tem a vantagem de fazer com as startups evitem o incumprimento das regras que vigoram no contexto regulatório. “Há vários anos que nós, em Portugal, temos uma visão moderna da regulação e da supervisão, e que significa que nós nos preocupamos com mais do que o cumprimento ou incumprimento das regras, preocupamo-nos com os incentivos que são criados para que se cumpram as regras e que se previna o seu incumprimento”, explicou.

“Por isto é que esta possibilidade que nós temos em falar com os inovadores e com os empreendedores, desde o inicio em que eles estão a delinear as ideias e provas conceito, a partir do momento em que o fazem com o contexto regulatório certo”, referiu João Gião.

Ainda assim, o vogal do conselho de administração da CMVM argumentou que nem tudo foi fácil nesta iniciativa. “A nossa tarefa enquanto reguladores não é fácil porque nos preocupamos todos com o desenvolvimento do mercado. E a dificuldade resulta justamente daqui, de encontrar o equilíbrio certo de calibrar tudo isto para que os objetivos não entrem em conflito”, isto é, se o respeito pela regulação é importante, também é importante que a regulação não bloqueie a inovação.

“Enquanto reguladores temos de equilibrar a dimensão da protecção do investidor com a integridade do mercado, e fazê-lo de maneira a que a inovação não seja prevenida e que a competitividade neste mercado não seja comprometida”, concluiu João Gião.

Ler mais
Relacionadas

Ex-ministro da Economia diz que Portugal FinLab demonstra que o país quer liderar na inovação

Manuel Caldeira Cabral, atualmente vogal da ASF, um dos três reguladores que integram o Portugal FinLab, disse que o apoio às empresas tem de continuar. “No futuro temos de continuar a dar resposta a estas empresas para que fiquem em Portugal e que trabalhem melhor em Portugal”.

Reguladores devem apresentar próxima edição do Portugal FinLab no quarto trimestre de 2019

“A nossa intenção é de apresentar publicamente as linhas gerais do próximo Portugal FinLab a partir de setembro ou de outubro”, revelou o administrador do Banco de Portugal, Helder Rosalino, ao Jornal Económico.

Vice-presidente da CMVM: “Reguladores perceberam que tinham de entrar na dinâmica das fintech”

Filomena Oliveira lança o alerta: é preciso cuidado ao navegar nesta maré de inovação. “Há que ter cautela, mesmo a navegar em águas calmas, porque elas podem ficar revoltas”, disse, no “1º Encontro Fintech”, organizado pela sociedade de advogados Sérvulo e da qual o Jornal Económico é media partner.
Recomendadas

CEO da Ryanair diz que houve um disparo nas reservas do Reino Unido para Portugal, Espanha e Itália

Tendo em conta que estes três países já iniciaram a fase de desconfinamento, as reservas de voos para fins turísticos espelham a despreocupação dos britânicos quanto ao risco de infeção por Covid-19 nos destinos do sul da Europa.

Confederações empresariais escrevem a Centeno para intervir nos seguros de crédito

Algumas confederações já se tinham queixado que as seguradoras de crédito estavam a reduzir as coberturas contratadas pelas empresas. Cinco confederações empresas escrevem agora ao ministro das Finanças a pedir para intervir e garantir seguros para risco de crédito, nomeadamente à exportação para não comprometer a fluidez das trocas comerciais. Produtos químicos e farmacêuticos, alimentar ou a construção, são alguns dos setores que precisam urgentemente de manter ou reforçar estes seguros, para evitar paragem abrupta da atividade.

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.
Comentários