“Cobiça de alguns países sobre a Amazónia é uma realidade”. Jair Bolsonaro critica Joe Biden

Jair Bolsonaro defende que o seu governo tem mobilizado “ações sem precedentes” em defesa da selva Amazónia, aponta que a “cooperação dos EUA é bem-vinda”, mas garante que a soberania brasileira não é negociável.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro reagiu esta quarta-feira, 30 de setembro, ao apelo do candidato presidencial democrata dos EUA Joe Biden, para um esforço mundial que reunisse 17,7 mil milhões de euros (20 mil milhões de dólares) para travar a destruição da Amazónia.

“O candidato à presidência dos EUA, Joe Biden, disse ontem que poderia pagar-nos 20 biliões [17,7 mil milhões de euros] para pararmos de “destruir” a Amazónia ou iria impor-nos sérias restrições económicas”, escreveu Jair Bolsonaro no Facebook sublinhando que “o Brasil mudou. Hoje, o seu presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças”. “Nossa soberania é inegociável”, acrescentou o presidente brasileiro.

Jair Bolsonaro, que classificou a proposta de Biden como “lamentável”, garante que “a cobiça de alguns países sobre a Amazónia é uma realidade. Contudo, “a ingerência externa por alguém que disputa o comando do seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua”, realçou o chefe de Estado brasileiro.

Na sua publicação, o chefe de Estado brasileiro recordou que o seu governo tem realizado “ações sem precedentes para proteger a Amazónia” e que a “cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazónica, tal como tenho conversado com o Presidente Trump”.

Jair Bolsonaro também assinalou ser o “chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração”.

– O candidato à presidência dos EUA, Joe Biden, disse ontem que poderia nos pagar U$ 20 bilhões para pararmos de “…

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Durante o debate presidencial de terça-feira, 29 de setembro, Joe Biden assegurou que uniria forças com outros países para dizer ao Brasil “Aqui estão 17,7 mil milhões de euros, pare, pare de destruir a floresta. E se não o fizer, terá consequências econômicas significativas”, segundo a “Bloomberg”.

Dados oficiais brasileiros, citados pela “Reuters”, mostram que o nível de destruição na Amazónia em 2019 corresponde uma área aproximadamente à do tamanho do Líbano.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Brasil destina 390 milhões de euros para aliança internacional por vacinas

O Governo brasileiro anunciou na quinta-feira a atribuição de 2,5 mil milhões de reais (390 milhões de euros) para o país entrar na aliança internacional por vacinas contra a Covid-19, a Covax Facility.
Recomendadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários