Coca-Cola regista perdas de 48% no mercado ibérico no segundo trimestre

A empresa de bebidas teve uma receita de 338 milhões de euros na sua divisão ibérica que engloba os territórios de Espanha, Portugal e Andorra. A faturação foi de 917 milhões, menos 28,5% do que o verificado no primeiro semestre do ano passado.

A Coca Cola European Partners registou uma perda de receitas de 48% no mercado ibérico no segundo trimestre de 2020, o que significa uma verba de 338 milhões de euros. Esta quebra prende-se com a descida no setor do turismo e o encerramento das lojas durante o estado de emergência provocado pela pandemia do coronavírus, informa o “El Economista” esta quinta-feira, 6 de agosto.

Olhando para o primeiro semestre, a faturação da empresa foi de 917 milhões, o que equivale a menos 28,5% do que o registado nos primeiros seis meses do ano passado. A empresa destaca que esta queda se deve a “uma tendência fraca no setor de turismo, especialmente na Espanha, onde temos muita exposição ao setor de hospitalidade”.

A Coca-Cola European Partners obteve um lucro de receitas líquidas de 126 milhões de euros durante o primeiro semestre deste ano, o que representa uma queda de 75% em relação ao mesmo período de 2019.

Em termos comparáveis, o lucro líquido da empresa caiu 52% entre janeiro e junho, para 259 milhões de euros, enquanto as receitas caíram para os 4.837 milhões de euros, menos 16,5% do que o verificado no primeiro semestre de 2019.

Damian Gammell, CEO da empresa, assume que “esta crise teve um impacto sem precedentes nos nossos negócios e nas comunidades que servimos em toda a Europa”.

Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários