Comissão de Trabalhadores da Lusa diz que notícia com expressão racista vai contra os “valores defendidos pela agência noticiosa”

Depois da notícia publicada, entretanto corrigida, em que era empregue uma expressão racista visando uma deputada, a CT da agência noticiosa pede que seja realizada uma “averiguação, responsabilização e explicação do processo, de forma transparente, que mostre que a Lusa não tolera qualquer tipo de discriminação”.

Agência Lusa

A Comissão de Trabalhadores da Agência Lusa condenou esta sexta-feira, 13 de maio, o ato de discriminação e a “sucessão de erros” que levou a uma “identificação indigna e inaceitável” da deputada Romualda Fernandes numa notícia escrita por um jornalista da agência noticiosa.

“A Comissão de Trabalhadores condena profundamente o ato de discriminação e a sucessão de erros que culminou numa identificação indigna e inaceitável da deputada Romualda Fernandes, numa notícia da Lusa, que atenta contra todos os valores defendidos pela agência e seus trabalhadores”, lê-se no comunicado a que o JE teve acesso.

De acordo com a Comissão de Trabalhadores, “este episódio é o oposto do trabalho, rigor, isenção, identidade e valores da agência em Portugal, nos países lusófonos e no resto do mundo” e que o mesmo “viola a dignidade humana”, mais até do que as próprias regras jornalísticas.

Assim, e no âmbito da notícia, a Comissão de Trabalhadores pede que seja realizada uma “averiguação, responsabilização e explicação do processo, de forma transparente, que mostre que a Lusa não tolera qualquer tipo de discriminação”.

A peça foi originalmente publicada pelas 18h00 de quinta-feira. À frente do nome da deputada afrodescendente surgia uma expressão racista entre parênteses. Detetado o erro, a Agência Lusa corrigiu a notícia em que a deputada Romualda Fernandes foi identificada de “modo inaceitável, contra todas as regras éticas e profissionais”, nas palavras da Direção de Informação.

Mais tarde, pelas 00h42 de sexta-feira, a Direção de Informação da Lusa comunicava que lamentava “profundamente o erro de uma notícia transmitida pela agência sobre a constituição da comissão da revisão constitucional em que uma deputada do Partido Socialista surge identificada de modo inaceitável, contra todas as regras éticas e profissionais constantes do Código Deontológico dos Jornalistas e do Livro de Estilo da Lusa”.

No âmbito deste episódio, o editor da secção de Política da agência já pediu a demissão do cargo, enquanto o jornalista Hugo Godinho, autor da peça em questão, está a ser alvo de uma investigação interna para apurar em que circunstâncias a notícia foi elaborada, segundo comunicado divulgado hoje pela Direção de Informação (DI) da Lusa.

“Na sequência da notícia transmitida ontem na linha da Lusa, identificando de modo inaceitável uma deputada do Partido Socialista, a Direção de Informação comunica que o editor de Política, José Pedro Santos, pediu a demissão do cargo, que foi aceite”, segundo comunicado da DI a que o JE teve acesso.

A DI avança ainda que instaurou um processo de averiguações ao jornalista Hugo Godinho, o autor da peça, de modo a apurar as circunstâncias como foi elaborada a notícia.

“A Direção de Informação da Lusa comunica ainda que tendo em vista o dano moral e reputacional provocado na imagem da agência, instaurou um processo de averiguações ao jornalista Hugo Godinho, a fim de apurar as circunstâncias em que a notícia foi elaborada”, lê-se na missiva da agência.

Relacionadas

Editor de Política da Lusa demite-se no âmbito de notícia que identificava deputada com expressão racista (com áudio)

Em comunicado, a Direção de Informação da Agência Lusa avança ainda que instaurou um processo de averiguações ao jornalista Hugo Godinho, o autor da peça, de modo a apurar as circunstâncias em que a notícia sobre a deputada Romualda Fernandes foi elaborada.

Agência Lusa anuncia abertura de investigação após ter identificado deputada de “modo inaceitável” (com áudio)

A Direção de Informação da agência noticiosa veio a público pedir desculpas à deputada Romualda Fernandes e ao Partido Socialista depois de “erro inaceitável” que vai “contra todas as regras éticas e profissionais”.
Recomendadas

PremiumEuro2020 pode ser pontapé para relançar mercado publicitário das marcas

Cobertura mediática será maior do que em 2016, mas é pouco provável que se traduza em recordes de audiências, dizem especialistas. Ainda assim, as marcas deverão aproveitar a oportunidade.

Já pode investir na criptomoeda Dogecoin com a aplicação da Revolut

A fintech britânica tem 30 criptomoedas disponíveis para investimento. Curiosamente, a cara que está nesta moeda virtual – ou seja, o focinho de cão – foi esta sexta-feira vendida como NFT por 4 milhões de dólares.

Ophiomics é a primeira empresa portuguesa a receber verbas do fundo do European Innovation Council

Ophiomics assegurou um investimento de um milhão de euros do fundo do European Innovation Council, no âmbito do programa-quadro Horizonte Europa, que é uma continuação do Horizonte 2020. Biotecnológica portuguesa é uma das 75 PME europeias mais “promissoras” para Bruxelas.
Comentários